A pedidos: 48 horas em Santiago do Chile

post 290908 1
{O Mercado Municipal: para cair de boca nos mariscos chilenos}

Interropemos a programção de posts “viagem à África”  para atender aos leitores órfãos dos posts sobre Santiago do Chile lá do meu antigo blog, o Viajante Consciente, que estão pedindo ajuda aqui na caixa de comentários.

Como o Viaje Aqui adotou a ferramenta WordPress recentemente, posts de blogs desativados saíram do ar. Não vai dar pra reproduzir tudo (ao menos não agora), mas republico aqui o post resumex, 48 horas em Santiago do Chile (datado de agosto de 2008). Já vou avisando que ele é gigante. Mas é só pra apagar o incêndio, tá, Patrícia e Nélio?

Buen provecho, chicos!

O que fazer em um fim de semana na capital chilena


post 250908
{Zully: muito mais romântico no jantar}


Sexta-feira à noite

21h30 – Chegada em grande estilo

Nada de descansar. Sexta e sábado são os melhores dias da noite santiaguina, então aproveite. Há três programações possíveis. Quem estiver viajando a dois e quiser entrar com tudo no romantismo, rume para o bairro Concha Y Toro, um cantinho de casarões históricos e totalmente europeus do Barrio Brasil. Ali fica o restaurante Zully (Conha Y Toro, 34, 56-2-696-3999). Pétalas de rosas forram as escadarias de entrada e pode-se sentar em salinhas privativas ou com vista para a praça mais charmosa da cidade.

Para esticar a noite na agitada vizinhança — e tomar os primeiros pisco sours do fim de semana — o bar Boulevard Lavaud dá um banho de autenticidade: divide uma mansão de esquina com a Peluqueria Francesa, uma barbearia que tem mais de cem anos, e usa como decoração pias de cabeleireiro e demais móveis de salão de beleza em meio a peças de antigüidade que estão à venda.

Já quem veio com os amigos e quer entrar de cabeça no bairro boêmio por excelência, Bellavista é o destino. Entre os novos restaurantes bacanas, o Santería tem decoração retrô e com interessante cardápio fusion de culinárias latino americanas — peça o primeiro dos vários ceviches que te esperam.

Quem está na chuva é pra se molhar, então, continue a noitada no Ky, o resto-bar mais cool de Bellavista, na ambientação e nos freqüentadores, ou ouça o melhor do jazz e do blues nos shows do pequeno El Perseguidor — se der sorte pode ouvir o ótimo Angel Parra Trio, banda do neto de Violeta Parra, a compositora mais querida do Chile.

Santiago dia 8 243
{Angel Parra Trio botando o El Perseguidor abaixo}

(Se for um aficionado por jazz, confira antes a programação do Club de Jazz – no bairro de Ñuñoa, o templo do ritmo na cidade.)

  

Sábado

9h – História na veia

Como ontem a madrugada não foi longe, acorde cedo para começar o circuito histórico do centro. Tudo fica concentrado e dá pra fazer o passeio inteiro a pé. Comece na Plaza de Armas (metrô Plaza de Armas), o marco zero onde Santiago del Nuevo Extremo foi fundada em 1541 pelo espanhol Pedro de Valdívia e sua trupe.

Ali ficam a Catedral Metropolitana, o elegante prédio dos Correios e o Museo de História Nacional, com pequena e consistente coleção de objetos, roupas e mobiliário colonial. Uma quadra a leste fica a Casa Colorada, a residência particular colonial mais preservada da cidade.

Depois volte para pegar o calçadão Paseo Ahumada, a artéria comercial do centro. Caminhe por ali entre famílias de classe média que vêm trazer os filhos para ver os artistas de rua e fazer compras na Falabella, uma das poderosas lojas de departamento do país.

cafe con piernas
{Café con piernas: conservadorismo chileno onde?}

Não deixe de reparar nos cafés con piernas, o Caribe e o Haiti, tradicionais cafeterias em que as garçonetes servem o expresso metidas em apertados minivestidos.

Dobre à direita na rua La Moneda, passe pelo charmoso prédio da Bolsa de Valores até chegar ao Palacio La Moneda, a sede do governo federal. Programe-se para estar ali às 10h — em dias alternados, acontece a troca da guarda na Plaza de la Constitución, em frente ao palácio.

Se não for dia dela, entre pela porta da frente de uma das poucas sedes de governo no mundo abertas à visitação pública, e aprecie os pátios internos enquanto lembra dos dramáticos bombardeios de 1973, quando Augusto Pinochet deu o golpe militar que levou ao suicídio o presidente socialista Salvador Allende.

Na saída pelo lado oposto, não perca o novo Centro Cultural La Moneda, no subsolo do palácio. Tem exposições super bem cuidadas, um público bacana, um café e uma loja lindona da Fundación de Artesanías do Chile (dá ótimas compras).

santiago prefeitura
{Prefeitura: parte do barrio civico, logo na Plaza de la Constitución}

Volte à superfície e caminhe algumas quadras pela principal avenida que corta Santiago de leste a oeste, a Libertador Bernardo O’Higgins, muito mais conhecida por Alameda.

No sentido leste, tarda pouco até aparecer a construção mais antiga da cidade, a Iglesia de San Francisco. Há um importante museu de arte sacra ao lado. Atrás deles fica o fofo Barrio Paris-Londres, um pedaço da Europa no meio de Santiago, com ruas de paralelepípedos e mansões dos anos 1920 — hoje região de albergues e mochileiros.

12h30 – Pit-stop panorâmico

Santiaguinos não almoçam cedo, portanto, agüente um pouco mais a fome. Caminhando pela Alameda mais duas quadras chega-se ao imponente prédio da Universidad de Chile, à direita, e pouco mais à frente, ao da Biblioteca Nacional, à esquerda.

post 260908 2
{Cerro Santa Lucia: parque cheio de casaizinhos apaixonados}

Ao lado da biblioteca fica o Cerro Santa Lucia, a menor das duas colinas isoladas que despontam no meio da cidade e que viraram parques. Suba pela pomposa Escalinata Monumental, passe a fonte de Netuno e continue escalando caminhos tortuosos e degraus de pedra até o topo do pequeno castelo. Do cume tem-se uma idéia de como Santiago fica cercada de montanhas por quase todos os lados, e da distribuição dos bairros em relação ao centro.

13h30 – Arte e novas inspirações

Desça do Santa Lucia por trás, na saída norte, e você já está na porta do bairro Lastarria y Bellas Artes, um naco do centro que concentra os museus e o público ligado à arte, os cafés mais bacanas e lojas de estilistas alternativos.

post 260908 3
{O Patagônia: cordeiro com alfajor}

Aos sábados, vários dos restaurantes dali só abrem de noite, mas o Patagônia Resto Bar serve desde o brunch da manhã: sente-se nas mesas da calçada de esquina, se for verão, ou no salão entre paredes inteiras forradas de vinhos, se estiver frio, e mande pra dentro uma parrillada de carnes de caça.

Depois caminhe até a Plaza Mulato Gil de Castro, o coração do bairro, e dê uma olhada na tradicional feirinha de antigüidades e livros, bem pequenina, em frente ao pátio do Museo de Artes Visuales, o MAVIEntão entre para ver o acervo de arte contemporânea lindamente organizado no prédio de arquitetura moderna: passeio rápido e muito bom.

mavi
{Arte contemporânea é o Museu de Artes Visuales – MAVI}

Depois vá conferir as lojas bacanas em frente ao museu e as da Calle Merced  – são vários endereços que concentram roupas e acessórios dos novos estilistas do país, ainda sem lojas próprias. Na ONA fica uma das melhores seleções de artesanato de todo o Chile, a preços acessíveis. Não perca o aconchegante ONA Café, quase na esquina da Rosal com a V. Subercauseaux.

Finalize o passeio tomando os sorvetes do Emporio La Rosa, com sabores que combinam, por exemplo, chocolate com manjericão. De preferência, tome-o caminhando pelo Parque Forestal, em frente, um dos mais queridos da cidade e onde se pode descansar à sombra das árvores, em bancos ou mesmo esparramando-se aos pés dos troncos.

16h30 – O luxo globalizado

post 260908 5
{Avenida Alonso de Cordova: vitrines cheias de importados}

Se conferir o que há de mais chique nas vitrines santiaguinas for uma prioridade (eu acho esse prgrama mala, mas sempre tem que goste), pule alguma etapa em Lastarria e vá mais cedo à Alonso de Córdova, em Vitacura. É nessa avenida arborizada e com árvores rodeadas de jardins que estão as marcas internacionais de luxo como Louis Vuitton, Hermés, Burberry ou Armani.

Além de galerias de arte e lojas de estilistas chilenos consagrados. Dali pode-se continuar caminhando pela avenida Vitacura, onde ficam mais lojas, como a italiana Diesel, e fazer um break para o chá e um doce típico chileno na tradicional Dulcería Montolin, ou um sanduíche no Le Fournil, uma boulangerie francesa que mantém um pequeno restaurante com terraço. Volte ao hotel para descansar porque a noite será longa.

21h30 – Jantar e esquenta

post 260908 6
{O petit gateau de chocolate e coco do Astrid y Gastón: não cogite não pedir}

Sábado é quando os santiaguinos jantam mais tarde, mas em alguns restaurantes mais elegantes é bom não exagerar no horário (e reservar sempre). Um dos melhores cardápios da cidade fica em Providencia, no peruano fusion Astrid y Gastón. Os peixes, massas e carnes têm receitas inovadoras e são preparados impecavelmente, assim como as delicadas sobremesas que precisam ser pedidas junto com os pratos — são feitas na hora.

Se quiser gastar um pouco menos, o bistrô Del Cocinero é a pedida: despretensioso e delicioso. Depois dele estique a noite no bar mais imperdível da cidade, ali perto, o Ligúria, na avenida Providencia, perto do metrô Manuel Montt, com decoração irreverente, gente de todo tipo e carta de vinhos e drinques imensa.

Não abre mão de um programa de alto nível e quer conferir as novidades dos bairros classe A? Então comece a noite em Vitacura, o playground da elite. O jantar mais quente do momento é o do Mestizo (ao menos, era, no início de 2008), onde a moçada produzida se senta nas mesas ou no balcão para comer, beber e curtir o visual do Parque Bicentenario, em frente, todo iluminado.

Santiago dia 6 e 7 315
{A moçada arrumada que se apinha – bem feliz – no Mestizo}

Ali pode-se esticar até tarde ou fazer escala em um bar antes de realmente sair para dançar: o pub Dublin é o lugar para quem curte música dos anos 80 e cerveja; o Esquina é um dos bares xodó da galera de 20 e poucos anos.

Casais e grupos mais exigentes com relação à comida fazem bem em jantar no Nolita, um dos melhores italianos da cidade, no meio da elegante avenida Isidora Goyenechea, em Las Condes. E esticar no sexy Lamu Lounge, bar do complexo gastronômico de Vitacura Borderío.

Quem gosta mesmo é de uma noite bem democrática e nem um pingo menos fervida pode jantar em Bellavista, no Etniko, que tem comida japonesa e asiática e DJs mandando um chil-lout.

Mas se seu ideal de sábado à noite é economizar no rango para torrar tudo em bebida mais tarde, o Galindo é o restaurante-boteco mais amado de Bellavista — peça um pastel de choclo, umas empanadas ou qualquer prato típico com uma cerveja Kunstmann enquanto espera o horário de cair na farra — a lotação ali vai até alta madrugada, não se preocupe.

Santiago dia 8 099
{Cardápio do Galindo: botecão de especialidades chilenas}
 

2h – A noite é uma criança

Duas da manhã é horário para chegar em qualquer bom carrete (balada) da cidade. Quem ficou por Vitacura pode conferir o Las Urracas, boate imensa com duas pistas, house, tecno e reggaeton, que enche de mauricinhos e de todo o tipo de gente – eu achei breguíssima, mas de fato estava bombando.

Em Bellavista, o Club La Feria é o templo da música eletrônica e do energético, e as salsotecas são onde se pode dançar música latina a dois.

Quem gosta de hip hop, soul, funk, música dos anos 70 e algo dos 80, e dispensa ambiente e público arrumadinho, o El Tunel, em Bellas Artes, é o lugar: impossível não dançar a noite inteira.

 

Domingo

10h30 — Programa família

Dia mais light depois de um sábado agitado. E nem adianta querer se apressar porque domingo é o dia mais sonolento da cidade, quando os santiaguinos descansam em casa, com a família, quase todo o comércio e boa parte dos restaurantes está fechado, e o movimento se concentra todo nos parques, shoppings e museus (a maioria é de graça no domingo).

post 290908 2
{Poesia de Neruda nos tótens de sua La Chascona, a casa onde o poeta morou}

Comece o dia na linda La Chascona, que foi casa do maior poeta chileno, Pablo Neruda, com sua terceira esposa, Matilde — o nome da casa vem do apelido da amada, que tinha os cabelos revoltos (La Chascona seria o espanhol para “a descabelada”). Hoje é um museu com um passeio guiado emocionante pela vida e obra do poeta, que desvenda as excentricidades de sua morada. Absolutamente imperdível.

post 290908 3
{Terraza Bellavista, no Cerro San Cristóbal: ponto de encontro de ciclistas}

Saia dali para o Cerro San Cristóbal, logo atrás, a maior colina da cidade e transformada no Parque Metropolitano.  Pegue o funicular para chegar até a Terraza Bellavista, onde todos os ciclistas que subiram o morro pela estrada se reúnem para desfrutar do visual em 360º de Santiago e tomar um mote con huesillos. (Se você for com crianças, desça uma estação antes do funicular para o Zoológico, simplesinho, mas que agrada os pequenos).

Fique ali curtindo o astral dessa tribo esportista, e depois suba a pé um curto caminho até o Santuario Inmaculada Concepción, bem no topo da colina, onde está a estátua da santa e uma capela concorrida. Desça pelo outro lado do monte com o teleférico e depois a pé, passando pelo Jardin Botánico Mapulemu e o Jardin Japonés, até a saída pela rua Pedro de Valdívia Norte, já em Providencia (a caminhada é longuinha; vá de tênis).
 

post 290908 4
{O Jardin Japonés, pequenino e fofo}

14h – Frutos do mar e múmias milenares

Caminhe um pouco pela rua de casarões elegantes e entre as árvores e pegue um táxi para o Mercado Municipal (foto no topo), à beira do Rio Mapocho, na fronteira norte do centro da cidade. Ali ficam barracas de peixes e frutos do mar — sua última chance de entender como que é que a macha se distingue do loco ou ver a cara do centolla (um caranguejo imenso) inteiro, se você não teve coragem de pagar para comê-lo num restaurante.

Se amar frutos do mar e relevar a multidão, sente-se num dos dois restaurantes que dominam o hall central para comer todos os seres marinhos que agüentar. Senão, peça apenas umas empanadas de mariscos ou queijo com camarão e forre o estômago antes de partir para o melhor museu da cidade.

Pode-se pegar o metrô para chegar à Plaza de Armas, a uma quadra do Museo de Arte Precolombino. Ele guarda uma coleção impressionante de peças de arte e utensílios de dezenas de povos indígenas de toda a América Latina, que dominavam o território antes da chegada dos espanhóis.

post 290908 5
{Museu de Arte Precolombino: o melhor da cidade}

Além de sair dali um expert na diversidade de culturas nativas, você ainda vê as múmias chinchorro, 2 mil anos mais antigas do que as egípcias. Depois, pegue um táxi para terminar o domingo onde toda a cidade (que não voltou para casa) se reúne.
 

17h – Programa família 2

post 290908 6
{Bulevar Parque Arauco: mesmo não querendo, você vai acabar aqui no domingo}

 O bulevar do shopping Parque Arauco é onde Santiago ferve no domingo. Fica em Las Condes e é a área de entretenimento do centro comercial mais unânime da capital. 

Ao ar livre, entre os blocos gigantescos de lojas do shopping, ele reúne restaurantes de grandes redes, cafés, docerias, cinemas, teatro, boliche… Há um palco com shows ao vivo (no verão), ao redor do qual famílias, grupos de adolescentes e turistas se reúnem.

É também a última chance de comprar vinhos chilenos e presentes — há lojas legais ali, como a Apple, a El Mundo del Vino, a de maquiagens M.A.C.  Para se despedir da cidade de um jeito bem santiaguino (e meio paulistano também).

***

Mais sobre Santiago neste blog:

Primeiro hotel W da América do Sul abre as portas na capital chilena

Tags:

156 Respostas to “A pedidos: 48 horas em Santiago do Chile”

  1. Nélio Says:

    Nossa, nem sei como agradecer!
    Santiago de fato é uma cidade que me surpreendeu muito, aliás o Chile e o povo chileno me surpreenderam muito. E como já disse, seus posts me ajudaram bastante quando estive lá ano passado. Agora eu e minha mulher voltaremos lá por mais 3 dias, e um casal de amigos irá junto (fomos nomeados oficialmente “guias” deles.. hehe…) e este seu material novamente será de grande ajuda, pois já estamos selecionando o que não fizemos da outra viajem e queremos fazer agora. Tenho a impressão de que ainda faltará tempo para muitas coisas…
    Um grande abraço e muito obrigado pela atenção!

    Ps. Na volta direi como foi e se algo mudou desde seu post.

  2. Nélio Says:

    Olá Cláudia,
    Aqui vai um pequeno resumo de minha viajem à Santiago, na qual pude aproveitar algumas de suas dicas novamente. Para mim e minha mulher, era a segunda visita à cidade, mas para um casal de amigos que nos acompanhou, foi a primeira visita.
    Chegamos lá na quinta, por volta das 21:30h, rumamos direto apra o hotel Holiday Inn Express na av. Vitacura, e na sequência fomos ao Nolita (detalhe: havíamos reservado o jantar ainda no Brasil, pois a cozinha fecha às 23h). Simplesmente foi o melhor restaurante no qual estivemos desta vez. IMPERDÍVEL!!!!
    Na sexta, havíamos montado um roteiro pelo vale do Conchágua, e para isso havíamos reservado um servíço de taxi junto ao hotel, com o Sr. Jorge, muito atencioso e simpático. De cara fomos à Casa Lapostolle, que tem um dos melhores vinhos do mundo atualmente (o Clos Apalta 2005). Para os que gostam de vinhos, é um passeio obrigatório que vale cada centavo gasto. Conhecemos toda a vinícola Clos Apalta, e o método de proidução dos vinhos, e o momento da degustação é simplesmente mágico!!! Vele conferir!
    Segunda vinícola do dia: Viu Manent. Muito bacana também, mas o tour é muito diferente da Casa Lapostole. Vale pelos excelentes vinhos, pelo passeio em charretes tracionadas por cavalos andaluzes pelos vinhedos, e pelo restaurante que eles tem por lá, no qual almoçamos. Um serviço muito simpático e os pratos muito bem elaborados. Lógico que aproveitamos para tomar o Viu 1, que não estava na degustração… Ah! Atenção na lojinha, que tem objetos que fazem abrir a carteira… rs…
    A última vinícola do dia: Montes. Sinceramente, valeu pela oportunidade de se comprar os excelentes Montes Alpha M, Montes Folly e Purple Angel, além de uma bela tábua de queijos em porcelana. Um passeio bacaninha, mas o que menos nos entusiasmou. O tour incluia a degustação de 3 vinhos, mas incluímos mais 2.
    Saldo deste tour pelo Colchágua: 13 taças de vinhos degustadas (por cabeça), mais uma garrafa durante o almoço (compartilhada)! e simplesmente 8 garrafas de vinhos no porta-malas (só as nossas), além de uma caixa em madeira, uma tábua de queijos e alguma miudezas a mais… E demos graças a Deus por não precisarmos dirigir! rs…
    No retorno a Santiago paramos em um restaurante de estrada para tomarmos um café expresso até que razoável. (Não me recordo do nome do restaurante).
    Hotel, banho, descanço e restaurtante… Astrid e Gastón, já reservado desde o Brasil. Sinceramente, esperava mais. Talvaz a expectativa estivesse muito alta em relação ao restaurante, mas faltou algo que ainda não identifiquei o que era. Serviço excelente, garçons simpáticos e atenciosos, pratos maravilhosos, um cebiche cortesia do chef simplesmente indescritível! Mas como disse, faltou algo!
    Sábado: Centro, San Cristóbal e Las condes. Saímos do hotel e caminhamos até o metro (vale a pena andar de metro em Santiago, eles tem mais linhas que nós em São Paulo, com uma população de apenas 6 milhões de habitantes!!!). Descemos na estação Santa Lucia, onde visitamos o cerro Santa Lucia, e em seguida caminhamos pela Av. Libertador O’Higgins até o palácio La Moneda, com parada na igreja de São Francisco e pelas charmosíssimas ruas Paris-Londres. Do La Moneda fomos à Plaza de Armas e catedral metropolitana. Aqui vale recomendar: cuidado, muito cuidado com os trombadões! Quem pensa que isso existe somente na Praça da Sé em São Paulo está redondamente enganado. Ainda caminhando, fomos até o mercado Municipal só para dar uma olhadinha… rs… Desta vez não almoçamos por lá, mas o Donde Augusto ainda é uma boa pedida. Tomamos o meto novamente e descemos na estação Baquedano, e seguimos pela ponte Pio IX em direção ao Barrio Bella-Vista. Guardadas as proporções, é mais ou menos como a Vila Madalena em sampa… Óbvio que paramos no Pátio Bella-Vista, que tinha sido ampliado desde nossa visita ano passado, com mais restaurtantes e lojas. Imperdível. Almoçamos no Le Fournil Bistrot, um restaurante muito agradável e com comida bem bacana a um preço condizente.
    Após sessão compras de quinquilharias, artesanatos, etc (a mochila que eu carregava só aumentava de volume) rumamos pela ua Constitución até o Cerro San Cristóbal, onde tomamos o funicular até seu topo. A vista de Santiago com as cordilheiras ao fundo realmente é algo encantador. Aproveiei para experimentar o famoso Mote com huesillos… Para o meu paladar, não é nada demais, mas acho que passar por lá sem experimentar esta bebida, é meio como ir a Roma e não ver o papa.
    Como as mulheres estavam cansadas, pegamos um taxi para o Mall (shopping) de Las Condes. De fato é outro conceito de shopping, e devido aos tratados de livre comércio do chile, encontram-se lojas das principais grifes mundiais alí, a preços acessíveis. Seção compras, especialmente as femininas (rs) e retoenamos para o hotel exaustos.
    Havíamos programado ir ao restaurante Zanzibar, no Borderio, mas como eu era o único intero do grupo, resolvemos jantar em um restaurante que vimos na Av. Isadora Goyechea, quando fomos ao nolita. Trata-se da maior furada da viajem. O Restaurante Puerto Marisko por fora até que parece ser legal, mas é só uma bela fachada. Fujam! Não vale a pena!!!! Hotel e cama, não sem um enorme arrependimento por não termos ido ao Zanzibar.
    No domingo fomos de metrô até a estação central, onde pegamos um trem até a cidade de San Fernado para conhecermos as vinhas Casa Silva. Uma grata surpresa, não só pelo atendimento, pela qualidade dos vinhos, mas também pelas instalações da vinícola, que possui um hotel e um restaurante muitíssimos charmosos. Tem um salão onde guardam as barricas que tem um aroma indescritível de bom! Só perdeu para o tour da Casa Lapostolle. Só não fomos na casa Santa Helena (que é ao lado) por pura falta de tempo. Retornamos a Santiago e fomos direto ao mall Bulevard Parque Arauco.
    Almoçamos no restaurante El Otro Sítio que foi uma bela surpresa também, não só pelo excelente custo benefício, mas pelos pratos bem elaborados. O Atendimento não era tão bom assim, mas vamos relevar por se tratar de um restaurante em um movimentado shopping. Lógico que passamos pela Mundo del Viño, e compramos algumas garrafas a mais…
    Hotel, cama, e descansar pois nosso vôo de retorno era às 7h da manhã de segunda. Com 24 garrafas de vinhos na bagagem! Ah… E mais 4 compradas no Freeshop de lá…
    Já estamos planejando uma terceira ida para lá, provavelmente para o final de março ou início de abril de 2010. Colheita das uvas e conhecer um pouco mais de Santiago…

    • Claudia Carmello Says:

      Uau, Nélio, que super relato da viagem! Adorei saber dos detalhes. Nolita e Astrid Y Gastón: adoro os dois. Zanzibar: não perdeu muito, não. O ambiente é interessante, mas a comida, nada demais. Ainda não fui ao Colchagua, preciso colocar na minha lista. Você não levou seus amigos à La Chascona – Casa de Neruda? Adooooro lá. Grande abraço e obrigada por deixar suas dicas aqui!

    • Adilson Ribeiro Says:

      Prezado Nélio
      Estou pensando em fazer uma viagem a Santiago com minha esposa no começo de janeiro. Gostaria de saber como os preços hospedagem, almoços, deslocamentos (taxi) na paridade dolar-peso chileno ou real/peso. Isso é possível. Quais as dicas de viagem mais econômica.

    • Alexandra Says:

      Olá Nélio. Adorei essas suas dicas. Senti que você sabia do que estava falando e segui quase todas. Não me arrependi. Estava com meu marido e mais dois casais que conhecemos no hotel. Você foi mencionado na viagem como “o cara”. Valeu muito. Obrigada. Alexandra

      • Nélio Says:

        Ops…
        “O cara”?!?!?! Nossa!!
        Menos, bem menos…
        Na verdade eu fiquei entusiasmado com os relatos da Cláudia Carmelo sobre o Chile, e como pude comprovar que as dicas dela eram quentes, me sentí na obrigação de compartilhar as minhas experiências chilenas, que nem foram tantas assim…
        De qualquer forma fico feliz por ter ajudado. Sinto que retribuí um pouco da ajuda que este Blog da Cláudia me deu quando eu e minha mulher planejamos nossa promeira viagem aoi Chile.

  3. Nélio Says:

    Oi Cláudia,
    Pois é… A Chascona estava no roteiro de domingo, assim como o museu pré-colombino em nossa programação de sábado, mas infelizmente calculamos mal o tempo e tivemos de cortá-los.
    Em suma, temos a certeza de retornar ao Chile outras vezes, pois estamos descobrindo um lugar cada vez mais interessante na América do Sul.
    O Colchágua é somente um dos vales produtores de vinho, e creio que ainda iremos visitar as principais vinícolas de todos os vales produtores. Já temos até uma “pré-programação” do que pretendemos fazer em nossa próxima visita.
    Ah! Ano passado o ponto alto de nossa viajem não foi Santiago, e sim Puerto Varas e arredores, na região dos lagos (1000 Km abaixo de Santiago).
    O Chile está se tornando uma espécie de Itália em meu imaginário… Um lugar que quero destrinchar região por região! Ainda farei isso!.
    Vou acompanhar seus posts e dicas de Buenos Aires, pois em dezembro do ano passado estivemos lá e não tivemos uma boa impressão do portenho. Talvez suas dicas nos ajudem para que um possível retorno lá seja mais tranquilo.
    Um super abraço e obrigado pelas suas dicas, que nos foram e ainda serão muito valiosas.

    • adriana ferraz Says:

      Oi Nélio,
      Quero fazer um passeio pelo chile por 8/10 dias, mas como gosto de cidades pequenas, pitorescas, penos em ir a puerta Varas e outras. Tenho 2 filhos adolescentes de 16 e 18 anos. Quais cidades vc recomendaria para visitar?Pretendo ir em dezembro.

  4. vianutricia Says:

    Adorei este tema! Pena ter tido acesso somente hoje (exatamente 1 semana após meu retorno de santiago) !!
    Fui p. lá por conta de um congresso latino americano de nutrição, graças a cidade compensou a viagem pq o congresso não estava nada organizado!
    Lendo acima, pude em poucos minutos reviver algumas coisas!
    Algo a acrescentar:
    Fiquei hopedada com uma amiga em um hostel chamado aji hostel (ex cilli hostel), um lugar bem aconchegante, super seguro, quase em frente ao metrô salvador na providência, com proprietários super hospitaleiros (rola festinhas lá temáticas, inclusive algumas free como a noite da pasta e vinho). Minha amiga fez o cumpleyanos por lá, sim, eles fazem uma assada, com direito a bolo e balões! Foi demais!
    No mercado almocei no Tio lucho ótimo preço e qualidade!
    Adorei o Ligúria! Tomei um chadonnay chamado Layda delicioso e refrescante!
    No cerro san crist. fiz um pic nic com vinho!
    Adorei conhecer este bolg.
    Abraços
    Fernanda Maniero

  5. Claudia Carmello Says:

    Olá, Fernanda, bem-vinda! E muito obrigada por acrescentar as suas dicas aqui. Volte sempre. Um abraço, Claudia

  6. carol Says:

    Muito legal as dicas.
    Gostaria de saber mais sobre onde ficar em Santiago…alguém já ficou no Hotel Neruda ?

    • Claudia Carmello Says:

      Oi Carol: há dicas de hospedagem no link no fim desse post (chamada sobre o hotel W). O hotel Neruda fica em Providencia, é confortável, mas quando fui, em 2008, passava por remodelações por etapas, o que fazia os quartos bastante diferentes um do outro. No geral são espaçosos (se bem que havia alguns standad bem pequenos), e os mais novos tinham TV de LCD e decoração mais moderna. O destaque eram os quartos triplos, artigo raro na hotelaria de Santiago.

      • Bruno Vasconcelos Says:

        Olá Nélio

        Estava lendo as suas viagens pelo chile e acredito que este Sr Jorge que lhe atendeu no Hotel, deve ser o mesmo que me atendeu na nossa última estadia em santiago.Estive em San Pedro de atacama e Santiago em janeiro/2011 tentei entrar novamente com ele pelo celular, porém acredito que ele mudou de celular. Você tem o celular dele? e se tem pode me fornecer? pois estou pretendendo voltar a Santiago em breve. Desde já agradeço antecipadamente

  7. Tiago Says:

    Claudia
    Quando fui pra Snatiago, fui com o guia da viagem e turismo e tua matéria das 48 horas foram uma mão na roda!!! Shoe de bola mesmo, parabéns

  8. Roteiro de viagem no Chile Says:

    […] Mas enfim, com uma tarde, ou um dia inteiro em Santiago jah dah pra ver bastante coisa, como sugeri nesse post aqui. Na verdade nos tivemos 2 tardes e 4 noites em Santiago (saimos pra jantar 1 noite, e as outras 3 capotamos no hotel), e deu pra fazer tudo que queriamos, sem pressa e correria… Caso vc esteja com pressa e afim de correria, 1 ou 2 dias esta de bom tamanho, como a Claudia sugere nesse post aqui. […]

  9. A Mulher do Marido Says:

    Muito legal esta troca de impressões sobre Santiago. À lista de excelentes restaurantes do Nélio eu acrescentaria o Europeo e o Boragó, este último pelo inusitado cardápio (se quiserem detalhes, está lá no amulherdomarido.blogspot.com). E quanto ao El Otro Sitio, acredito que foi um bad day no atendimento, pois quando estivemos lá para almoçar o serviço foi gentilíssimo.

    • Claudia Carmello Says:

      Olha só, que legal, não conhecia esse Boragó. O Europeo é um dos melhores restaurantes de Santiago, restaurante bom daqueles regularíssimos, que não erram. Eu só não acho ele o máximo porque o ambiente é formal demais, silencioso. As mesas no jardim lá no fundo são mais agradáveis. Obrigada, Mulher do Marido, por deixar aqui mais essas dicas! Abraço

  10. Fabiane Says:

    Olá pessoal,
    Estou com viagem marcada para Santiago para fevereiro e estou guardando todas as dicas de vcs, valeu mesmo. Nélio, queria saber como vc transportou as várias garrafas de vinho, tem alguma mala especial?? Pode me dar alguma dica sobre isso, pois tb tenho interesse em trazer algumas garrafas. Obrigada.

    • Nélio Says:

      Primeiro que eu levei sim três malas daquelas mais rígidas, mas o truque não foi esse. Uma das malas grandes estava praticamente vazia, e levei nela uma mala média e alguns metros de plástico bolha!!! hehehe!, Além disso, na Mundo Del Viño (uma loja que tem no mall Parque Arauco), na Concha y Toro, e em alguns outros lugares, é possível encontrar uma embalagem inflável para transporte de vinhos. Como temos 16 destas embalagens, o resto foi fácil. No hotel pedimos emprestada uma balança para distribuir o peso e, por acaso o peso de minha bagagem com a de minha mulher ficou exatamente no limite. Mas, nem tudo foi perfeito, pois ficaram 4 garrafas fora das malas… hehehe… como tinha um casal de amigos viajendo conosco e eles estavam sem sobre-peso, e com espaço nas malas… foi fácil resolver!.
      No total foram 24 garrafas despachadas, envolvidas em plástico-bolha e nas embalagens infláveis, distribuídas nas minhas 3 malas e na mala dos amigos, mais 4 compradas no free-shop que foram na bagagem de mão!

  11. Olyntho Says:

    Fabiane,
    adorei a sua pergunta para o Nelio pois tbem estamos de viagem marcada para Santiago em Abril, e além de todas essas dicas especias, fiquei muito curioso em saber como o Nelio fez para trazer as garrafas, já que faz parte dos planos renovar a adega!
    Ficaremos no Hotel Orly, alguém tem referencia …
    Abraços!

    • Claudia Carmello Says:

      Olyntho e Fabiane: no próprio aeroporto de Santiago ou nas lojas Mundo del Vino ou Vinoteca, as maiores da cidade, vocês devem conseguir comprar uma caixa de papelão com isopor interno e espaço para 6 garrafas. Basta colocar as garrafas lá dentro, lacrar e despachar como “frágil” no balcão de check-in. Em geral, se você trouxer uma caixa por pessoa não vai ter problemas. Abraço!

    • Nélio Says:

      Esta solução da caixa com isopor eu fiz na minha viajem para Buenos Aires. também encontrei estas caixas com o isopor na Mundo Del Viño, mas preferí comprar as embalagens infláveis pois elas me são úteis aqui no brasil também! Fora que as reaproveito nas viajens…
      Quanto ao limite de vnhos, de fato a informação que eu tenho é que podemos despachar 6 por pessoa sem problemas, e comprar até mais 6 por pessoa no free-shop. Passar disso de fato é contar com a sorte! No meu caso funcionou, mas não gosto disso!

  12. Fabiane Says:

    Obrigada Claudia pela dica. Olyntho, estou indo amanhã, depois contarei como foi e quantas garrafas consegui trazer.
    Abraço.

  13. Nélio Says:

    Oi Cláudia,
    Despois de um tempo sem acessar seu blog, estou passando para dizer que estou com 95% de certeza de retornar ao Chile e à Santiago na Semana Santa. Desta vez iremos na Chascona sim (hehehe) e visitaremos outros vinhedos, desta vez ao norte de Santiago!
    Talvez o roteiro seja meio eclético, passando uma noite em Mendoza, na Argentina, e depois o resto em Santiago…

  14. Fabiane Says:

    Cheguei de Santiago ontem, adorei a cidade e o povo chileno foi muito gentil e hospitaleiro. Os posts deste blog foram muito úteis. Vou deixar aqui algumas impressões.
    Restaurantes: Fomos ao Como agua para chocolate, El outro sitio e Nolita, o Boragó infelizmente estava fechado e reabrirá em abril sob nova direção. Os restaurantes foram ótimos, tanto na comida como no atendimento, mas achei o Nosso Congrio de Sempre do Como Agua para Chocolate perfeito e inesquecível. No patio Bella Vista fomos ao La casa em el aire para um happy hour, o atendimento não foi muito bom, mas a comida estava deliciosa. Conhecemos tb o Thelonius, um clube de jazz em Bella Vista, na noite em que estávamos lá havia um grupo chileno que tocava e cantava bossa nova, foi interessante ver que várias pessoas que estava lá sabiam cantar músicas brasileiras.
    Museus: Fomos a La Chascona, Museu de Arte Pre colombino, Museu de Bellas Artes, MAVI, Museu de História Nacional, Centro Cultural La Moneda. Destes, os dois primeiros realmente são imperdíveis.
    Passamos um dia em Viña del Mar e Valparaíso, foi corrido, mas valeu conhecer a La Sebastiana (outra casa do Neruda) em Valparaiso e o Museu Arqueológico Francisco Fonck em Viña. Em Santiago fomos ainda aos clássicos Cerro San Cristóbal, Cerro Santa Lucia e Centro Artesanal Los Dominicos.
    Vinícolas: Fomos somente na Concha e Toro, e embora o tour seja bem turístico vale a pena, mas de fato sentimos não termos conseguido ir a outras vinículas para ver o processo de produção do vinho. Quem sabe na próxima….Bem, compramos 16 garrafas de vinho lá, as 4 de Terrunyo (mais caras que compramos) nós colocamos na embalagem inflável (que o Nélio citou) e dentro de uma caixa própria para o transporte, mas as outras 12 vieram na caixa comum de Marques de Casa Concha, que a atendente da Concha e Toro embrulhou e lacrou com fitas adesivas. As garrafas estavam apenas separadas por papelão. No aeroporto despachamos as caixas com o adesivo de frágil e torcemos para que desse tudo certo. A Tam nos faz assinar um termo de que o transporte dos vinhos é por nossa conta e risco, ou seja, eles não dão nenhuma indenização no caso de quebra de alguma garrafa, apenas se houver extravio das garrafas. Perguntamos sobre o limite de garrafas e eles disseram que não havia, o que limita é realmente o peso da bagagem (embora eu tb ja tinha visto a informação de 6 garrafas por pessoa). Enfim, no final deu tudo certo, as garrafas chegaram intactas, mas eu não arriscaria trazê-las novamente desta forma. Da próxima vez, embalagem inflável para todas. Ultima informação, o cambio estava ótimo para trocar reais por pesos chilenos: 1 real=320 pesos nas casas de cambio. É isso, abraço a todos, obrigada pelas dicas e boas viagens.

    • Claudia Carmello Says:

      Oi Fabiane, super obrigada pelo relato! Adorei! Bom saber dos vinhos, essa pergunta sempre aparece por aqui. Volte sempre!

    • Nélio Says:

      Oi Fabiane,
      Foi justamente na Concha y Toro que conhecí estas embalagens infláveis, quando lá estive em 2008. Agora me chamou a atenção você ter trazido o terrunyo!! Em 2008 me arrependí de ter trazido somente uma garrafa dele! Devia ter trazido umas 12!!!! hehehehe…
      Você lembra quanto estava o câmbio do dólar? Este valor para o Real está praticamente o mesmo de novembro passado quando lá estive pela última vez!
      Outra coisa que você relatou e que eu já havia notado: eles realmente curtem música brasileira!!! Mas também descobrí um pouco da música tradicional deles, que é muito rica! Bem diferente da nossa! Trouxemos inclusive o cd “antología en vivo” de um grupo chamado Inti-Illimani, que curtimos muito, e que nos foi apresentado por um guia quando estivemos na região dos Lagos.
      Por curiosidade, em que hotel vocês ficaram? E se me permite a indiscrição, quanto foi a diária?
      Como estamos planejando um retorno para lá em abril, já estou correndo atrás de novas informações.
      Abraços!

  15. Lucia Helena Torres Says:

    Hallo,
    Foi exatamente este post lá no Vnv que me fez viajar para cá…Valeu à pena!
    Abração,
    Lu
    RJ

  16. Nélio Says:

    Cláudia,
    Conseguimos descobrir algumas passagens de Santiago (Chile) para Mendoza (Argentina) que ficam em USD50,00 ida e volta (uma pechincha), e por isso mesmo estamos pensando em ficar duas noites por lá.
    Muito provavelmente uma destas noites será em um hotel boutique dentro de uma vinícola!!!
    Por acaso você tem informações sobre Mendoza ou sabe onde posso conseguir informações bacanas sobre lá?
    Desde já, obrigado!

  17. Fabiane Says:

    Nélio,
    O Terrunyo realmente está muito bom, mas acho que dos vinhos da Concha e Toro o Marques de Casa Concha está com a melhor relação custo benefício. Acho que ele saiu por uns 30 reais a garrafa.
    Como nós ficamos praticamente o tempo todo na rua e só vamos para o quarto para dormir, muitas vezes ficamos em hostels mesmo e lá em Santiago nós ficamos no Hostel Plaza de Armas, a cerca de 30 metros da estação Plaza de Armas, eu fiz a reserva pelo Hostelword.com.
    A localização era excelente, ficava na cobertura de um prédio antigo bem em frente a Praça. Era um hostel, então não tinha muito luxo, mas era um quarto com ventilador, TV a cabo, banheiro privativo e café da manhã, o quarto era legal, o banheiro e o café nem tanto, mas conhecemos pessoas interessantes do Canadá, Itália, Japão, Brasil, além dos chilenos que foram super atenciosos, então valeu a pena. A diária custou 44 dólares para o casal, então acho que fizemos uma boa economia. Pelo que me lembro o dolar estava custando cerca de 530 pesos.
    Boa viagem!!!

    • Nelio Says:

      Oi Fabiane,
      De fato estes vinhos que aqui chegam a custar uma fábula, lá são bem em conta!
      Este esquema de hosteling é bem bacana e torna as viagens bem mais accessíveis. Já fiquei hospedado em alguns hostels aqui no Brasil, mas nunca no exterior. Isso combina bastante com as viajens de mochilão nas costas, hehehe… Uma das vantagens é de fato conhecer pessoas de praticamente todo o mundo, e ter um custo bem bacana, afinal diária a USD44 por casal é tentador. Especialmente tendo um quarto somente para o casal, não ficando em dormitórios coletivos, ainda mais baratos!
      E sinceramente, você tem razão em uma coisa: no fundo fica-se praticamente o tempo todo na rua durante estas viajens, portanto, muitas vezes é besteira ficar em um hotel carésimo em que você não vai aproveitar nada…
      Vou dar uma olhadinha no site deles, e ver se minha mulher topa… (acho que ela não!!! rs…)

  18. Fabiane Says:

    Oi Nélio,
    Eu tb tinha muitas restrições aos hostels, mas como nossa grana anda meio curta, achamos melhor viajar assim do que não viajar.
    Acho que se a pessoa tem condições de ficar num hotel legal vale a pena, mas se é para ficar num hotel mais ou menos, talvez seja melhor olhar as opções de hostels. De qualquer forma, o que vale é a viagem. E falando nisso, espero que a de vcs seja excelente.

    • Nélio Says:

      Agora com este terremoto não sei como ficará a minha viagem… Não por medo de tremores ou algo assim, mas por supor que a infra-estrutura do Chile estará comprometida. Também não sei como foram afetadas as vinícolas que pretendia visitar…
      Bom, agora é uma questão de correr atrás de informações e verificar se valerá a pena ir para lá em abril. Espero que sim, pois de fato o Chile e seu povo me cativaram!

  19. Lucia Helena dos Santos Torres Says:

    caros viajantes,
    nem sempre deixo comentários, mas acompanho sempre o andamento deste blog e de outros de viagem. Hj, com um pouco mais de tempo, gostaria de comentar que em relação aos albergues, hoje tb chamados hostels (muitos de redes independentes e com administração familiar há gerações) tem um conceito muito interessante de hospedagem, superando, muitas vezes, em qualidade de hospedagem, serviços e localização (sem contar o preço, claro) os hotéis classificados por 1 ou 2 estrelas. Já tive váriasalgumas experiências neste tipo de hospedagem, tanto no Bra qto fora e, sempre foi surpreendente (+), de alguma forma. Ah, e nunca me hospedei em quartos coletivos e sim privados, com banho completo. Os viajantes aí tem toda razão no que expõem…
    O outro assunto que se bloga por aí é algo do tipo: e agora? Ir ou não a Santiago?
    Sinceramente, só iria ou manteria uma viagem a um local que estivesse passando por tamanha tragédia, se eu tivesse como ser útil por lá, de alguma forma. Se já estivesse no meio de uma viagem, excepcionando o fato acima, me retiraria de cena e…de volta para casa, assim que possível. Afinal, como encontrar prazer e diversão neste panorama?Sobra solidariedade, se pudermos ser útil.
    Não sei se lembram de uma foto, que muito me entristeceu, de um grupo de turistas que tomavam um drinque na beira da praia, em um dos locais atingidos pelo tsunami de 2004, no oceano índico e que arrasou a costa asiática…Nooossa!
    é isso viajantes,
    Gostaria de agradecer o espaço para o comentário, na verdade, um desabafo!
    Abraço a todos,
    Lu

  20. Miguel Angelo Says:

    Santiago é quase uma poesia, é a cidade onde o passado e o futuro se encontram na rua da contemporaneidade ou seria o cruzamento da Paris com a Londres?

    Deliciosa a leitura, foi bom viajar por Santiago antes de dormir, obrigado por compartilhar desta beleza com aqueles que viajam mesmo é pela net.

    Bom final de semana a todos

  21. Fabiane Says:

    Olá Nélio,

    E ai, vais mesmo ao Chile? Pelas notícias que tenho recebido, acho que a situação já está bem normalizada por lá, mas não sei em relação às vinícolas que vc pretende visitar. Abraço.

    • Nélio Says:

      Ficou para maio… Alguns compromissos fizeram com que a data mudasse, mas também mudamos um pouco o roteiro devido aos problemas causdos pelo terremoto.
      Ficaremos em Santiago e arredores por 3 dias e esticaremos a Mendoza por 5 dias. Conseguimos umas passagens ida e volta para Mendoza a preços bem bacanas e resolvemos não perder a oportunidade de conhecer aquela região e as vinícolas de lá também.
      Segundo algumas informações que obtive, algumas vinícolas que visitei, como a Casa Lapostolle – Apalta, nada sofreram de grave, enquanto que outras, como a Montes, foram bem danificadas. Ambas situadas no Colchágua. Ainda não decidimos o que visitaremos em Santiago e arredores, mas a parte de Mendoza está planejada completamente, incluindo uma visita à base do Aconcágua.
      Pensei um pouco sobre o que a Lúcia Helena disse sobre solidariedade devido à tragédia, viajar ou não, ser útil ou não… E me ocorreu uma coisa: talvez estes 3 dias que passarei por Santiago sejam sim uma forma de ajudar, pois na medida em que estarei gerando serviços por lá, certamente estarei contribuindo para manter empregos, gerar trabalho e renda, que essencialmente é algo que eles precisam muito para se recuperarem e até manterem a auto-estima.
      Certamente colocarei aqui as minhas impressões pós-terremoto.

    • Nélio Says:

      Santiago de Chile… Não trema porque no próximo domingo estarei aí…
      Uma merecida semana de descanso com minha família, visitando novamente esta cidade e país que me cativou, e indo conhecer Mendoza na Argentina…
      Minha mulher preparou um roteiro bem bacana (infelizmente desta vez não participei da elaboração devido a meus compromissos, faltou tempo de verdade!), onde ela resolveu aprontar uma super diferente… cada noite será em um hotel diferente! Isso será particularmente verdade em Mendoza, onde ela reservou hoteis localizados dentro de vinícolas, e uma noite em um hotel na cidade… Vamos ver no que dá essa maluquice que ela inventou!! rs…
      Até!

  22. maria rita Says:

    Claudia
    Adorei seu blog!!!
    Estou planejando uma viagem na última semana de julho à Santiago e talvez à Pucon. Ainda não decidi. Pensei talvez em Mendonza. A época é boa?
    Desde já aradeço
    Maria rita

    • Claudia Carmello Says:

      Oi Maria Rita,
      Obrigada, seja bem-vinda. Mendoza no inverno não é bacana, não. A única coisa que você pode curtir lá são os passeios à Cordillheira dos Andes, com paisagens incríveis, mas que você terá igual muito perto de Santiago e em Pucón. Mendoza é legal pelas vinícolas, e no inverno os vinhedos estão secos. Ou seja, a paisagem típica de Mendoza fica prejudicada. Abraço,
      Claudia

  23. mauro Says:

    Oi Claudia e demais que postaram no blog
    Julho é um bom mes para ir à Mendonza?
    Como ir até saindo de Santiago?
    Nélio, provavelmente você terá dicas bem bacanas, não é?
    Já agradecendo
    Mauro

  24. Nélio Says:

    Oi Cláudia,

    Acabei de retornar de 7 dias entre Santiago/Mendoza.
    Minha maior curiosidade era saber como estava Santiago após o terremoto, e posso dizer uma coisa simples: está muito bem perto do que poderia ser. O aeroporto foi o local mais afetado em que estive, pois apesar de estar operando normalmente, muitas de suas lojas estão fechadas e há obras para quase todo lado. Mas incrivelmente não notei qualquer sinal de bagunça. O free shop de lá está reduzido à metade do espaço original, e pelo que me disseram, irão reabrir ainda melhor do que era. Também notei que o forro de gesso de muitas áreas tinha caído, pois o teto estava coberto por uma fina tela de tecido.
    Saindo do aeroporto, notei uma ou outra obra de manutenção em pontes ou no asfalto, mas não tive em momento algum qualquer sinal de congestionamento. A maior obra que vi foi em uma ponte em que cada mão funciona somente com uma pista, pois estão arrumando as cabeceiras da mesma. Nada de sinais de catástrofes ao redor das estradas/avenidas, tudo funcionando em aparente normalidade.
    Fiquei novamente no Holiday Inn Express, que manteve a mesma qualidade de serviço e acomodações. Se teve algum dano às instalações do hotel, eu juro que não percebi! No sábado passado, quando retornamos de Mendoza para ficarmos mais uma noite em Santiago, o hotel nos colocou em uma suíte em que o acondicionamento/aquecimento de ar não estava funcionando corretamente, e após duas horas em que tentávamos colocar a temperatura em 24 graus, ligamos para a recepção, que mandou um funcionário verificar o que estava acontecendo. O mesmo percebeu que o equipamento estava defeituoso e imediatamente providenciaram uma suíte ainda melhor para nós, e mantiveram o preço da anterior. Ponto para eles!
    Uma grande curiosidade que eu tinha era como estava a construção do Costanera Center, um enorme complexo de Shopping e torre residencial/escritórios que está sendo construída próximo do hotel, e que ao que me informaram deverá ser o maior arranha-céu da América Latina. A construção estava inteira, em pleno andamento, e ainda mais alta do que eu havia visto em novembro!
    Andando pelas proximidades da Av. I. Goyechea, pude notar uma meia dúzia de construções (restaurantes e lojas) que sofreram grandes avarias com os abalos e estavam fechadas. Estivemos pela primeira vez na famosa Av. Alonso de Córdoba (a Orçar Freire de lá), e simplesmente fiquei deslumbrado com a quantidade de lojas de grifes por lá… mas isso é para quem tem grana para gastar, o que não é meu caso.
    Fomos ao Mall (shopping) Parque Araúco e ao Las Condes. O Pq. Arauco tinha alguns danos nas placas de granito das fachadas, e uma pequena área do boulevard externo de restaurantes estava fechada, mas internamente não percebi nada de anormal. No Las Condes não só não notei qualquer avaria como descobri um boulevard externo, no último piso, chamado El Mirador, com uns restaurantes/bares muito bacanas. Pena que o dia estava muito nublado, mas fiquei imaginando a vista do mirante que tem lá em um dia de céu limpo…
    A nossa novidade em restaurantes foi o La Mar, dos mesmos proprietários do Astrid Y Gastón, e que tem filial aqui em São Paulo, especializado em comida peruana (isso mesmo) e frutos do mar. Digamos que passarei a freqüentar o La Mar de São Paulo… Heheheh. Me banqueteei sem culpa alguma! Muito boa comida!
    Como minha mulher estava com receio das conseqüências do terremoto, ficamos apenas dois dias em Santiago, e ela concentrou a viagem em Mendoza, não temos grandes novidades sobre Santiago além do que relatei aqui.
    Não fomos para o interior do Chile desta vez, portanto não sei como está o resto do país, e nem sei dizer como estão outras áreas de Santiago que não sejam as da região de Vitacura/Providência/Alto de Las Condes. No noticiário da tv local também pouco se falava sobre o terremoto e suas conseqüências, o que para mim era um bom sinal.
    Enfim, parece que ao menos Santiago está dentro da “normalidade”!

    Cláudia, tem algum post seu aqui em que dá para comentar sobre Mendoza? Tem coisas muito bacanas que descobri por lá e outras que achei furadas…

    • Claudia Carmello Says:

      adorei seu relato, Nélio! Minhas fontes na cidade diziam que estava tudo bem em Santiago, mas o olhar do turista para alguns detalhes pe sempre diferente, né? Adorei saber notícias do Costanera – você ouviu sobre alguma data de inauguração?

      Sobre Mendoza, pode escrever aqui mesmo. Vários leitores pedem dicas nessa série de Santiago sobre escapadas até Mendoza. Quero saber o que você achou de ir nessa época – os vinhedos já estavam desfolhados? Porque o auge da beleza de Mendoza é em janeiro/fevereiro/março…

      Abraço!

      • Nélio Says:

        Oi Cláudia,
        De fato suas fontes estão corretas: está tudo bem em Santiago.
        Dá para viajar sem medo a Santiago, e com a certeza de ser bem recebido, o que é mais importante ao meu ver. Só para se ter uma idéia de como anda a movimentação pós terremoto: o Pátio Bellaviasta, assim como o Mall Pq. Arauco estavam lotados na tarde e noite de domingo (dia 16) e o Mall Alto de Las Condes estava com fila para entrar no estacionamento no sábado (dia 22), se a cidade e a região estiovesse passando por uma situação caótica, este quadro certamente seria outro.
        Quanto ao Costanera Center, suas obras foram retomadas em dez/09 após terem sido paralizadas por causa da crise, e estão a pleno vapor. Pelo que a recepcionista do hotel me disse, a previsão é de estar pronto entre 2012 e 2013.
        Esse é outro aspecto que gosto de lá: a arquitetura moderna e arrojada que está sendo praticada por todos os lados. É um show à parte aquele sky-line em confronto com as cordilheiras, ou mesmo visto do alto do cerro San-Cristóbal. Aliás, um comentário crítico: caramba, o maior arranha-céus da américa do sul será em Santiago, e com toda a propensão a terremotos que tem por lá, enquanto isso, por aqui no Brasil…

        Quanto a Mendoza, acho que a escapada valeu sim, os vinhedos ainda estavam com as folhas, pois a poda dos mesmos só se inicia em junho. era possível até mesmo encontrar um ou outro cacho de uva perdido. O bacana foi ver os tanques de fermentação abertos, cheios de material em fermentação e vinho sendo produzido bem alí na nossa frente, coisa que só acontece após a colheita que é em março/abril. A paisagem já está com aquelas cores de outono e o clima ficando bem frio e muito seco. Quem tem rinites como eu, sofre um pouco. Certamente não é o auge da beleza, até porque mendoza está em um deserto, e a paisagem acaba ficando monótona nesta época.
        Tem muita coisa bacana que vimos, e por isso vou dar uma resumida neste final de semana e postarei aqui com certeza.

        Incrivelmente durante a noite que passei na Pousada Salentein, me veio à cabeça o seu artigo “Passei três décadas em São Paulo e achei tempo demais”… De fato, cada vez mais penso que passei tempo de menos descobrindo o mundo.

        Abraços.

  25. Rodrigo Patini Says:

    Olá Claudia e amigos do blog, muito obrigado por todas as informações aqui postadas, foram fundamentais para minha primeira viagem a Santiago, que fiz neste final de semana com minha esposa. E deixarei aqui minhas impressões e contribuições:
    Minha esposa já estava lá a trabalho e eu cheguei na sexta à tarde, ficamos no Hotel Sheraton, em Providencia. Achei o bairro muito calmo e bonito, mesmo com as avenidas movimentadas de carros e gente. A folhagem das árvores no outono e as cordilheiras com neve ao fundo dão um toque belíssimo e romântico à paisagem do lugar.
    Tínhamos pouco tempo, então fomos de metrô ao centro. Eu que ando de metrô em São Paulo achei uma baba o metrô de Santiago, eles têm estações em todo lugar, quem me dera São Paulo tivesse estações em cada ponto turístico ou de interesse da cidade. Conhecemos a Paseo Ahumada, Plaza de Armas e o Mercado Central – um micro mercado municipal de SP -, onde provei o pisco sour, o mote com huesillos e a paella com o melhor custo-benefício da minha vida – apenas 6.900 pesos. Tudo isso no Donde Augusto, no qual de início não queria ficar mas, por onde eu olhava, só via Donde Augusto… o falatório dos ‘vendedores’ deste restaurante também me venceram pelo cansaço, mas até que no final foi bom. Ah, aqui também provei a cerveja Kuntsman, muito boa.
    Na saída entramos em uma galeria com lojas de departamentos para fugir do vento gelado e dar uma olhada nos preços, mas não vi nada de diferente dos preços em São Paulo, à exceção das promoções nas quais a segunda peça saía por 1 peso, fazendo valer a pena. Pegamos o metrô de volta e,no Hotel, adentramos a noite ao sabor de mais piscos e experimentando também o mango sour (achei mais refrescante que o pisco sour).
    Detalhe: No Donde Augusto eles adicionam um pouco clara de ovo ao pisco sour, diferentemente dos demais lugares que visitei, onde a receita é idêntica à nossa caipirinha, só trocando a cachaça pelo pisco. Apesar do cheiro de ovo da bebida, até que aprovei o ingrediente adicional.
    Havia programado o fim de semana para passar todo em Santiago, mas acabamos fechando dois passeios com a Turistour no hotel para lugares fora da cidade – mesmo sendo um passeio ‘desempacotado’, reconheço que às vezes sinto falta de uma agência para dar segurança aos passeios, ainda mais em terra estrangeira…
    No sábado fomos conhecer o Valle Nevado e Farejones, nas montanhas. Foi o passeio perfeito no dia perfeito, pois estava chovendo em Santiago e, quando chove lá embaixo, neva lá em cima. Foi a primeira vez que vimos neve – e nem esperávamos vê-la, tanto que fomos surpreendidos quando o guia disse que pararíamos numa loja para alugar a vestimenta (botas, luvas, calças e jaquetas para se proteger da neve – o aluguel custou 5.000 pesos cada peça). Bem, se você não for rolar na neve, a bota já é o suficiente. Minha esposa alugou o traje completo, então pôde deitar e rolar na neve sem se preocupar em molha a roupa. O Valle Nevado é uma importante estação de esqui do Chile (senão a mais importante) e a temporada de ski só começa em 15 de junho, então pudemos andar na neve à vontade sem risco de ‘atropelamentos’… pena que o teleférico também estava fechado…. O guia disse que esta é melhor época para visitar o Valle Nevado para quem não quer esquiar, pois já há neve, não venta muito, há pouca gente na estação e não há engarrafamento na estrada sinuosa que sobe até 9.000 metros acima do nível do mar: basta que um motorista não saiba colocar as correntes na roda de seu carro para o caos se instalar na estradinha… Este passeio sem dúvida valeu a viagem.
    à noite fomo no Zully, os pratos realmente são caprichados, a decoração bem intimista e os preços não assustam. O que nos assustou um pouco na verdade foram as cercanias do restaurante, com aqueles prédios antigos, alguns até pichados, e pouca gente cirandando por lá. A pracinha com a fonte poderia ser melhor explorada, não sei se é porque sou paulistano mas aquele cenário me deixou um tanto ressabiado, e me senti até aliviado por ter escolhido ir até lá de taxi e não de metrô…
    No domingo visitamos a vinícola Undurraga, ela fica ainda dentro de Santiago, mas em uma região mais rural. Há guias em inglês e espanhol e o circuito é feito com bastante calma, as explicações são bem detalhadas e incluem todo o processo de fabricação do vinho. Muita gente que já havia visitado outras viñas comentou que esta foi a que melhor explica o processo, e sem pressa nenhuma. Ao final, degustação de 4 bons vinhos e parada para compras.
    Na volta ao hotel, ainda corri até um mercadinho ara comprar piscos e corri novamente para arrumar as malas de volta para SP, lamentando por ter conhecido tão pouco da cidade de Santiago e ter deixado de visitar La Chascona, o Museu de Arte Pré-colombiana, o Cerro San Cristoban, o Palácio e a praça La Moneda, o restaurante Como Água para Chocolate, enfim…. essa é certeza de que para Santiago voltarei.
    Últimos detalhes:
    – utilizar o metrô de Santiago é tranqüilo, rápido, barateia as viagens e te deixa perto de qualquer lugar, além da oportunidade – para quem gosta – de ter contato direto com o dia-a-dia da cidade, se sentir quase que como um morador etc. Pode-se baixar o mapa de toda a malha metroviária da Internet: http://www.metrosantiago.cl/estacion/plano-red
    – fiz a trapalhada de embrulhar os piscos que comprei só em jornal e, claro, não deu certo: eles estouraram na mala. Todavia, os vinhos que estavam embalados com plástico bolha sobreviveram intactos.
    – na LAN o peso limite da bagagem despachada para brasileiros é de 23kg por pessoa. P.ex: como éramos eu e minha esposa, o limite foi de 46kg, pouco importando se cada uma das malas tinha 23kg ou se só um mala tinha 40kg e a outra 6kg. Perdi tempo à toa balanceando o peso entre as malas…
    – No free shop de Santiago os preços são apenas um pouco acima dos praticados na cidade; se estiver com pouco tempo, não se estresse como eu: curta a viagem e deixe para comprar as bebidas e lembranças no aeroporto, enquanto espera seu vôo.
    Mais uma vez, obrigado a todos pelas dicas e comentários, aos quais espero ter incrementado.

  26. MAIRA Says:

    Olá, Claudia, adorei tudo que eu li! Vamos para Santiago em agosto, somos 5 adultos e 4 crianças:5,5,3 e 2 anos. Voce tem dica para nós?
    Estamos querendo aproveitar o máximo que pudermos…Alguns dias no Valle Nevado, talvez 1 noite… para ser sincera… não sei se as crianças aguentariam mais do que isso por causa do frio! E quanto ao hotel em Santiago, queriamos um que fosse confortavel mas com um bom preço e localização, utilizaremos o metro para passeio. Obrigada. Abraços,

  27. Bea Says:

    Oi Cláudia!!!

    Meu marido e eu estaremos indo para Santiago dia 31Julho e voltando 05Agosto…qual o melhor transporte do Aerporto para o Bairro Providencia? O hotel nos ofereceu um Transfer por pessoa US$ 36. Pretendemos esquiar 1 dia apenas, qual é a melhor estação de esqui e qual seria a agência a contactar para esse fim em Santiago?
    Muito muito obrigada desde já!!!
    Abs,Bea

    • Nélio Says:

      Oi Bea,

      Se não estiver com muitas malas, procure uma companhia de taxis chamada El Golf, que faz este tipo de transfer a partir de hoteis.
      Só para você ter idéia, em maio quando estive em Santiago, acertamos deles nos esperarem no aeroporto e nos deixarem no Holliday Inn Express, e estávamos com duas malas grandes, mais bagagem de mão. Foram pontuais e cobraram 12 mil pesos chilenos qua ao câmbio do dia (520 pesos/dolar) dava 23 dólares PARA O CASAL!!! O transfer foi em táxi especial, como os rádio-táxis vermelho e branco de São Paulo.
      Acho que ainda tenho um cartão deles em casa, mas preciso encontrar. Se eu achar, posto o telefone aqui.
      Abs.

  28. Marcio Says:

    Boa noite. Estou indo para Santiago no final de agosto e pretendo passar um dia no Valle Conchagua. Alguem sabe qual o melhor jeito de ir até lá? Alugar carro, taxi? Aguardo contato. Obrigado

    • Claudia Carmello Says:

      Você pode ir de ônibus ou carro alugado, Marcio. Dê uma cotada com as locadoras do aeroporto – http://www.aeropuertosantiago.cl/medios-de-transporte-desde-y-hacia-scl/rent-a-car.html – ou consulte as companhias de ônibus aqui: http://www.turbus.cl. As cidades principais de Colchagua são San Fernando e Santa Cruz. Para saber sobre vinícolas no vale, consulte a página da sernatur: http://www.sernatur.cl/images/lang1/nacional/micrositios/rutavino/index.php?cod=8 ou a do próprio vale: http://www.valledecolchagua.cl/ . Abraço

    • Nélio Says:

      Márcio,
      Ano passado fui ao Colchagua em dois dias diferentes e de formas diferentes. Antes de sairmos do Brasil, contatamos o hotel e pedimos referências de algum guia/motorista. Nos indicaram um com quem entramos em contato e fechamos um “pacote” que saiu bem em conta, considerando que fomos eu, minha mulher e um casal de amigos. Este motorista nos levou e trouxe de carro até Santa Cruz e nas vinícolas que solicitamos. Considerando que visitamos 3 vinícolas, onde tomamos 3 taças de vinho/cabeça, fora as 2 garrafas de vinho que acompanharam o almoço, ter alguém para dirigir para nós se provou uma excelente escolha.
      Dois dias depois, quando fomos visitar a Casa Silva e San Fernando, fomos de trem, e uma vez em San Fernando alugamos um taxi. Detalhe bacana: ainda no Brasil, quando negociávamos com o guia/motorista que nos levou à Santa Crus, pedimos a ele que nos providenciasse os bilhetes de trem, e ele nos ajudou até nisso.
      Também recomendo que dê uma olhada no site http://www.rutadelvino.cl para obter informações sobre as vinícolas e programas da região.
      Espero ter ajudado.

  29. Tiago Says:

    Olá,
    Gostaria de saber se alguém ficou ou conhece o Santiago Marriott Hotel? Se é um bom hotel e fica num bom lugar com facilidade de acesso aos pontos turísticos!
    Obrigado

    • Claudia Carmello Says:

      Oi Tiago, o Marriott é um hotelão de rede onde você vai achar o que se espera de um Marriott. A localização não é tão boa se você gosta de caminhar e fazer tudo a pé. Ele fica numa área de Las Condes onde você vai precisar de táxi pra tudo. Se você curte o estilo, o Interncontinental e o Radisson têm uma localização mais prática, na divisa de Las Condes com Providencia.

  30. Larissa Says:

    Olá, bom dia.
    Estou com viagem marcada para Santiago para o final do mês.
    Ficarei 9 dias e farei um passeio até o Valle Colchagua de 4 dias.
    Apenas para informá-los, em contato com o hotel que me hospedarei no Colchagua, descobri que alguns dos restaurantes mais famosos da região estão fechados para reparos por causa dos terremotos, como o da Viu Manent, da Bisquett, do Hotel Santa Cruz.
    A região foi muito atingida. Segundo a gerente do hotel, a Casa Lapostolle funciona normalmente e a maior parte das vinícolas mantém a visitação, mas, não as refeições.
    Adorei todas as dicas e já reservei alguns dos restaurantes sugeridos pela Cláudia e Nélio (Astrid y Gaston, Nolita, …).
    Mas, a minha dúvida é em relação ao transporte de vinhos para o Brasil.
    Vocês sabem me informar se é possível trazê-los na bagagem de mão? Ou seja, além de encaixar alguns vinhos nas malas, respeitando o limite de 23Kg por pessoa, é possível trazer vinhos/líquidos dentro da cabine? Há limite de peso?
    E, se possível trazê-los na cabine, vocês sabem se há limite de bagagem de mão + garrafas compradas no freeshop? Alguém saberia responder essas dúvidas?
    Muito obrigada pela atenção.
    Abs,

    • Claudia Carmello Says:

      Oi Larissa,
      Muito obrigada pelo informe de que alguns restaurantes bacanas do Colchagua estão fechados. Vai ajudar muita gente aqui.

      Sobre trazer os vinhos comprados, a política das empresas parece estar sendo a de limitar apenas o peso mesmo. Se você tem pouca bagagem, vai poder trazer mais vinhos, seja dentro das embalagens infláveis dentro da mala, seja em caixas despachadas com adesivo de “frágil” (mas se quebrar, a responsabilidade será sua).

      Também é possível trazer vinhos na mão, Larissa. O problema é que será sempre uma loteria se você quiser trazer uma bagagem de mão pesada + a sacola de vinhos. Se o voo estiver muito lotado, podem te barrar. O mais seguro é se ater ao limite de peso a carregar dentro da cabine – na Lan é de 8 kg na Economica e 16 kg na Executiva; na TAM, 5 kg.

      Abraço, Claudia

      • Larissa Says:

        Cláudia,
        obrigada pelas informacoes.
        Ja estou no Chile, no Valle Colchagua, e ninguém soube me dar tais informacoes com absoluta certeza.
        Abracos,
        Larissa

  31. Daniela Abreu Says:

    Pessoal,

    Muito obrigado por vc´s terem postado as dicas de vocês e de forma tão completa!!!! Eu e meu marido iremos no final do mês e vamos fazer basicamente o que foi proposto por vc´s de tão legal que achamos!

    Muito obrigada!

    Na volta posto nossas percepções.

    Abs

  32. Cesar Brandão Says:

    Bom dia pessoal,
    Adorei todas as dicas e roteiros principalmente sobre a gastronomia e baladas noturnas, sou de Natal-Rn e estou embarcando para conhecer Santiago de 12 a 18 de Agosto de 2010 sozinho e solteirissimo!!!Rsss, onde pretendo seguir passo a passo todo este roteiro; como também incluir as estações de ski do Vale Nevado ou Portillo, alguem pode me dizer se vou pegar muita neve por lá???? Reservei o Santiago Park Plaza,será que é um bom Hotel?????
    Abração a todos…

    • Claudia Carmello Says:

      Oi César, provavelmente você terá lá toda a neve que estiver sonhando. Dá uma olhada antes de ir no http://www.vallenevado.com/es/informacion/, que é o Informe Meteorológico da estação. Hoje, por exemplo, o Setor 3 Puntas está fechado por falta de neve. Mas acho que isso não vai te atrapalhar na sua incursão – é sua primeira vez lá, certo?
      O Park Plaza é um hotel bacana, muito confortável, com boa localização em Providencia – mas quartos standard um pouco pequenos se comparados à media da cidade. boa viagem.

  33. Marcio Says:

    Estou pensando em alugar um carro para ir até Vale Conchagua. Vcs sabem como são as estradas por lá? Vale a pena ir de carro? Caso eu alugue este carro vcs acham que vale a pena ficar com este carro para passear por Santiago ou os pontos turisticos são mais fáceis de serem visitados se formos de metro ou taxi?

    • Larissa Says:

      Márcio, estou no Valle Colchagua. Eu e meu marido viemos de carro alugado na AVIS do aeroporto.
      As estradas sao excelentes e bem sinalizadas. Nao tem como errar e nem com o que se preocupar. Caso vc fique no Valle Colchagua vale a pena sim alugar o carro para fazer os passeios da sua maneira, mas, se vc ficar em Santiago, sugiro combinar um passeio de um dia com algum taxista e ficar tranquilo para visitar e beber em algumas vinicolas no mesmo dia.
      Estou adorando ficar alguns dias no Valle, assim, fizemos com calma várias vinicolas. Nos hospedados num hotel delicioso chamado Terra Vina. Recomendo. Fica em uma vinicola, os quartos sao rusticos, mas, excelentes, confortaveis e tudo e bem novo, ja q o hotel tem aproximadamente um ano e meio. Os proprietarios sao muito simpaticos.
      Em Santiago nao vale a pena ficar de carro porque ha metro para todos os lugares e os taxis nao sao tao caros, assim, vc nao se preocupara com o carro.
      Espero ter ajudado.
      Larissa

  34. Marcio Says:

    Obrigado pela resposta Larissa. Deixe eu aproveitar seu atual conhecimento sobre o Conchagua. Eh neess[ario reservar as vinicolas antes de ir visita-las? Li em alguns lugares que esta regiao do vale foi muito atingda pelo terremoto e alguns otimos restaurantes fecharam. Qual o melhor restaurante que vc me indicaria para um unico almoco no conchagua? Vc acha que consigo em um dia visitar umas 4 vinicolas sem ficar muito cansativo? Aguardo sua resposta. Obrigado

    • Larissa Says:

      Márcio, acho que 4 vinícolas num único dia é muito cansativo.
      Vc precisa sim reservar as vinícolas com antecedência, em algumas vc não consegue entrar sem reserva o tour.
      Mas, a maioria das nossas reservas foi feita de um dia para o outro. Salvo a reserva para almoçar na Casa Lapostolle e a reserva para visitar a vinícola Almaviva (esta última precisa de 1 semana de antecedência – melhor passeio/explicação de produção que fizemos e fica ao lado de Santiago, próxima à Concha Y Toro).
      Caso você possa/pretenda gastar um pouco mais, sugiro o tour com almoço na Casa Lapostolle. O tour é o melhor do Vale, pelo menos dos que fomos, e o almoço foi ótimo, num lugar lindo!
      Almoçamos também em San Fernando na Casa Silva, valeu muito a pena, a comida excelente e o lugar lindo, mas, o restaurante, apesar de instalado num lugar bonito, é provisório, porque o restaurante mesmo caiu.
      A região foi sim muito atingida pelo terremoto, a Viu Manent, q tem um almoço super famoso na região, caiu inteira, estão fechados e perderam muitos litros de vinho.
      A Bisquertt que tinha um restaurante famoso na região também está fechada.
      Na região, jantamos um dia num restaurante ótimo, dentre todos os que jantamos achei o melhor, chama-se El Candil.
      Espero ter ajudado.

      • Marcio Says:

        Obrigado Larissa. Vou refazer minhas programações. Qq duvida te escrevo.

      • Nélio Says:

        A Lapostolle realmente é fantástica e foi um dos meus pontos altos. Não almocei lá, e sim no Llaveria Restaurant da Viu Manent, que conforme estou lendo aqui, está fechado devido ao terremoto. O estranho é que no site da Viu Manent ainda da a entender que o restaurante está aberto, sem referência alguma ao problemas devido ao terremoto.
        De qualquer forma, sempre saí do Brasil com todas as visitas previamente agendadas para evitar surpresas de última hora.

      • Marcio Says:

        Oi Nélio, escrevi para a Viu Manent e para a Lapostolle e recebi noticia das duas que estão fechadas e uma vai voltar a abrir no final de agosto e outra em outubro. É uma pena mas adaptei seu roteiro e acho que vou gostar dos passeios. AbraÇO

  35. Nélio Says:

    Oi Márcio,

    Talvez a Lapostolle tenha fechado por causa do inverno, e não por causa do terremoto. A Viu Manent de fato pelo que pesquisei sofreu muitas avarias. Realmente será uma pena você perder a visita a essas vinícolas maravilhosas.
    Não sei teu gosto para vinhos, nem o quanto pretende gastar com eles, mas se puder e quiser, não deixe de experimentar os vinhos destas duas vinícolas. Costumo dizer que essas duas vinícolas mudaram meu conceito sobre vonhos Chardonnay, com o Couveé Alexandre da Lapostolle e o Gran Reserva da Viu Manent, fora os tops da casa, que estão muito bem guardados em casa, hehehe.
    O Chile provavelmente irá te surpreender. Aproveite e depois poste suas impressões por aqui. Tenho acompanhado um pouco o que acontece por aqui, pois pretendo ainda retornar várias vezes ao Chile, para conhecer não só outras regiões vinícolas de lá, mas também o Atacama, a Patagônia, a região de chiloé, etc, etc… E tudo o que é postado por aqui de novidades, acaba entrando para minha to-do list.

  36. glaucia e Alexandre Says:

    Olá Nélio…
    Estamos aqui no Chile e seguindo seu “roteiro”….., estamos adorando….Nos surpreendemos também com este lugar….ontem fez muito frio e a noite fomos até ao BellaVista, nossa como é cheio, pessoas bebendo muito….Uma Lapa aqui no chile….Queria te agradecer pelas dicas, tem sido nosso roteiro, pois é a nossa primeira vez aqui! Agora fiquei curiosa com oi trem…. Onde podemos ter acesso a este. Estamos de carro alugado, mas como vc sugere que se vá com motorista ou de trem, acho que iremos seguir sua dica, para irmos até ao caminho dos vinhos…..Um abrço e obrigada

    • Nélio Says:

      Oi Gláucia e Alexandre,
      Que bom que vocêss estejam gostando, mas o roteiro não é meu não… hehehe. Eu apenas peguei um monte de informações daqui dos roteiros da Cláudia e aos poucos fui me encantando com tudo e procurando descobrir coisas novas e fui postando as minhas impressões por aqui. Aliás, tenho anotado um bocado de coisas que todo mundo coloca por aqui, pois acho que este espaço da Cláudia é muito bacana para quem quer trocar informações sobre viajens e mesmo para quem quer buscá-las.
      Olha, quanto ao trem, eu pequei uma linha de uma cia chamada TerraSur, e você consegue maiores informações em http://www.terra-sur.cl/link.cgi/
      Saímos da estação de trens de Santiago (Estación Central – Av. Libertador Bernardo O’Higgins 3170 – integrada ao metrô) e pegamos bilhetes para a cidade de San Fernando. A estação de lá é bem pequena, mas conseguimos um taxi lá que nos levou até a vinícola Casa Silva, que tem um hotel/pousada muitíssimo simpatica (minha mulher quer voltar lá só para passarmos um final de semana lá), e se não me falha a memória, tem algumas outras boas vinícolas ao lado de lá.
      Na época verificamos a possibilidade de alugarmos um carro lá em San Fernando para podermos rodar um pouco, mas não tinhamos informações sobre a necessidade ou não de carteira de motorista internacional para isso e não arriscamos. Mas alí tem muita coisa para ver, e que ainda verei… hehehe…

      Só para constar. já saímos do Brasil com tudo agendado e comprado, inclusive, como postei anteriormente, o motorista que contratamos por indicação do hotel nos fez a gentileza de comprar os bilhetes e reservar as visitas na Casa Silva.

      Mas sinceramente, o que falei sobre ir para as vinícolas do Colchágua tendo um motorista, foi o melhor que podemos fazer, pois não tivemos preocupações em guiar após vááárias taças de vinho, e não ficou caro, pois estávamos em 2 casais para pagar o motorista.

      É isso. Bons passeios e aproveitem bastante. e não se esqueçam de contar as suas descobertas. Abraços.

  37. Fernanda Lobo Says:

    Poxa!! Adorei! Estamos planejando uma viagem para Santiago para Janeiro e tudo oque li vai ser muito útil! Que coisa boa pessoal!!! Eu gostaria muito de fazer um passeio pelos lagos . Voces me indicariam algo? Abraços,
    Fernanda

  38. Juliana Says:

    Nélio,
    excepicional seus relatos e dicas!!!! Tenho algumas dúvidas, vamos ver se vocês podem me ajudar:
    1ª) vou chegar em um domingo de manhã, será que é possível encontrar uma casa de câmbio fora do aeroporto aberta?
    – – vou pra Santiago dos dias 13/20 de setembro, e fiquei sabendo que nos dias 18/19 setembro tem um mega feriado lá, chamado Festa Pátrias … será que as vinícolas estarão abertas nesses dias?
    – última dúvida … nos arredores de Santiago, quais vinícolas vcs recomendam sem ser a Concha y Toro?
    Muito obrigado galera!!!

    Mu

    • Nélio Says:

      Oi Juliana,
      Na minha primeira viajem trocamos algo em torno de US$100 no próprio aeroporto, pois também chegamos sem maiores informações sobre as “tiendas de cambio”. Descobrimos que em nosso hotel (o Panamericano, próximo ao La Moneda) se fazia câmbio até por um valor melhor, e depois também descobrimos que no Mall Pq. Arauco e no Mall Las Condes (shoppings) também tinham “tiendas de cambio”. Cheguei a trocar inclusive nos finais de semana, mas procure se informar através dos sites de hotéis e destes shoppings.
      Não conheço os feriados chilenos, mas este em especial me interessou, pois equivale ao nosso 7 de setembro e neste ano (2010) eles estão comemorando o bicentenário de independência deles. Não sei se as vinícolas funcionarão MAS…. hehehe… Também na minha primeira viajem, na última noite jantamos na Confiteria Torres, e na conversa com funcionários e proprietários, eles nos informaram que estavam guardando o “vinho do bicentenário”… E disseram que seria um ótimo vinho!!! De fato, já ouvi várias referências a estes vinhos comemorativos ao bicentenário, se são bons eu não sei dizer. De qualquer forma, pena que não poderei ir para lá novamente neste ano para conferir… hehehe…
      Santiago fica na região do Maipo, e a única vinícola que cheguei a visitar nesta região foi a Concha y Toro, incrivelmente não deu tempo de fazer tudo o que queria. Tenho mais 5 vinícolas que quero conhecer no Maipo e que estão na minha lista: Undurraga, Aquitânia (esta fica na grande Santiago), Almaviva, Cousiño-Macul e Antiyal. Entre em http://www.winesofchile.org/the-wines/wine-regions/maipo-valley/ que você terá inclusive um mapa muito bacana no final da página, com as principais vinícolas do Maipo.
      Espero ter ajudado.

  39. Moysés Says:

    Oi Cláudia
    Tudo que li aqui foi de perder o fôlego!
    Em novembro irei ao Chile, de Santiago a Pucón com carro alugado.
    Na volta, gostaria de conhecer alguma vinícula com guia para degustação no vale do Maule.
    Alguém pode me dar dicas? A Carta Vieja tem este serviço?
    Acho que esta é a primeira de muitas missivas eheheh.
    Abraços, no aguardo.
    Moysés

  40. Afonso Says:

    Olá a todos,
    vou ao Chile no início de novembro e gostei muito das dicas aqui encontradas.
    Se alguém souber, gostaria de ter uma noção que quanto custa um almoço ou jantar para um casal nesses restaurantes:
    – Nolita
    – Como Água para Chocolate
    – Zully
    – Giratório
    – El otro sítio (Parque Arauco)
    – Del cocinero
    – Astrid y Gastón

    Tá parecendo que vou lá só pra comer (rsrs), mas os que couberem no orçamento, vou tentar conhecer.
    Grato.
    Um abraço,
    Afonso

    • Nélio Says:

      Oi Afonso,
      Destes restaurantes eu não conheço o Zully, o Giratório e o Del Cocinero. Os demais eu conheço e recomendo, em especial o Nolita e o Como Água para Chocolate.
      Tirando o El Otro Sítio que é mais barato, os preços praticados são compatíveis com os preços de restaurantes de primeira linha de São Paulo, acompanhados de vinhos de boa qualidade. Portanto espere gastar algo entre R$150 e R$300 contando com entrada, pratos principais, sobremesas e um bom vinho. Lógico que isso varia muito, principalmente em função do vinho e do que se vai pedir. Se aceitar sugestões, inclua o La Mar na sua lista.
      Uma dica que acho importante: faça reservas antecipadas. Dependendo do lugar, se você não reservar com antecedência, corre o sério risco de não ser atendido. melhor garantir!
      De qualquer forma, não se preocupe tanto com o preço, pois nestes restaurantes sempre tem pratos mais baratos, mas de qualidade fantástica.
      Abraços.

  41. Jose Aranha Says:

    Apenas para ajudar: estive no Chile e voltei ontem. Apesar de ter ficado apenas 04 dias, deu para aproveitar muito bem, pois peguei um guia local (indicação aqui do Brasil), inclusive o mesmo morou um período aqui e fala português. Cuidado com os taxis são ladrões. Taxi no aeroporto pegar a transvip (paga-se no cartão) custa em média 18.000 peso (US$ 36.00 ou R$ 70,00), a qq hora. Câmbio num shopping no centro, perto do mercado Central, cotação para peso, 1 US$ 480 pesos e 1 Real 255 pesos. vale a pena levar US$ e trocar. Quem tem cartão a taxa média de conversão q fizeram foi de US$ 395, muito boa. Mas sai em peso, depois se converte para US$ e depois paga-se aqui em Real. Como o US$ está caindo aqui fica melhor ainda, mas atenção para o IOF que é de 2,4 %. Boa sorte a todos.

  42. José Oswaldo Aranha Says:

    Correção: taxa do cartão de Crédito: 495 pesos por US$.

  43. A pedidos: 48 horas em Santiago do Chile ( by Claudia Carmello) | Dalila & Thales Says:

    […] Olha o link aqui […]

  44. ana Says:

    oi nélio,

    sobre a compra de vinhos, o que foi mais em conta: comprar no free shop, nas vinícolas ou na el mundo del vino?

    abraço,
    ana

    • Nélio Says:

      Oi Ana,

      Os tops das vínícolas que visitei, de fato estavam mais em conta nas vinícolas.
      Sugiro o seguinte: defina as vinícolas que você visitará, e as que não irá visitar; defina os vinhos que quer trazer; pesquise os preços destes vinhos nas lojas de vinhos chilenas pela net; se for o caso, já encomende os vinhos que você irá trazer e que são produzidos pelas vinícolas que você NÃO irá visitar; finalmente, quando você estiver nas vinícolas escolhidas para visitação, você poderá não só degustar os vinhos desejados, mas também poderá comparar os preços e tomar a melhor decisão.
      Free-shop? Um pouco mais caro pelo que me lembro, mas comprei lá apenas o que não encontrei em canto algum.

      De qualquer forma, pesquise pela net!

  45. juliana amorim Says:

    Um sanduichinho ou um lanchinho rapido no Boutique del Campo , vale super a pena
    http://www.boutiquedelcampo.com/
    Napoleón 3144, Las Condes
    Teléfono: (56-2) 335 6607

  46. ana Says:

    obrigada, nélio.

    perguntei porque no uruguai, visitando uma bodega, a própria dona me sugeriu que comprasse um dos vinhos tops no duty free, pq não tem imposto. de fato, valia mais a pena, apesar de algumas lojas de lá terem o tax free (coisa que a vinícola não tinha – até sugerimos isso pra eles). só não comprei mais no free shop de montevideo (que tem boa variedade de vinhos e preços melhores do que o do brasil) pela dificuldade de carregar! comprei no duty free 6 vinhos e trouxe mais uns 6 na mala. usei EVA (e não plástico bolha) e funcionou bem, misturando os vinhos nas roupas.
    espiei no site da el mundo del vino os preços dos tops e achei caro…

    • Nélio Says:

      Oi Ana,
      Não sei como funciona no Uruguai, pois nunca estive lá, e também conheço muito pouco sobre as vinícolas uruguaias.
      Mas posso te falar que os tops chilenos não são muito baratos, especialmente se você considerar um Almaviva, um Borobo, um clos Apalta, ou Montes Alpha M, entre muito outros. Mas posso te garantir que mesmo se você comprar na el Mundo, sairá bem mais em conta que aqui no Brasil. Pelo menos saiu em novembro/2009 e em maio/2010. Aliás, um detalhe qua acho legal: não é só a El Mundo del Viño que tem por lá.. Existem outras lojas de mesmo nível, inclusive no Mall Alto de Las Condes. E se você der sorte, talvez encontre excelentes vinhos nos hipermercados de lá (isso mesmo!). Para você ter uma noção de preço: uma garrafa de um top que comprei lá em nov/09, custou na época coisa de R$240,00 (caro admito), mas a mesma garrafa aqui no Brasil não custava menos de R$700,00. Como diz minha mulher, isso póde até ser um bom investimento… rs…

  47. Luciana Schneider Says:

    ESTOU INDO PARA O CHILE AMANHÃ! VOU USAR AS DICAS DE TODOS! NA SEMANA QUE VEM EU CONTO TUDINHO… ABRAÇOS

  48. Vânia Stolze Says:

    Parabéns Claudia, o blog é de utilidade pública!!
    Obrigada a todos por compartilhar suas experiências.
    Irei a Santiago agora em novembro. No retorno, compartilharei minhas 48hs na capital chilena.
    Forte abraço!

  49. Mara Zammar Says:

    Parabéns Cláudia!!!
    Li todo o seu blog, e confesso que copiei muita coisa para montar o meu roteiro! Estamos indo em 5 adultos para Santiago, no dia 26 de dezembro. Vamos ficar lá até dia 2 de janeiro. Lá vão as dúvidas:
    – como somos em 5, isso dificulta tomar táxi, precisariam ser 2. A nossa idéia é alugar carro, e ficar o tempo todo com ele.
    – o reveilon em Santiago é bom? Alguém tem alguma dica, de onde passar?
    – li em alguns blogs que em Valparaíso é muito bonito a queima de fogos! Vi algumas fotos, mas achei extremamente cheio! Alguém já passou lá? É perigoso fazer um bate e volta? Alguma dica por lá?
    Agradeço a quem possa me ajudar!

  50. caroline Says:

    Vou com meu marido para santiago dia 3de fevereiro onde passo 5 dias.
    Reservamos o sabado p conhecer vina del mare e val paraiso, vcs axam q um dias e suficiente?
    Tamos vendo o panamerico como hospedagem o que axam?
    E vcs tem alguma dica a mais, pq so vamos nos2.
    Alem do mas, fico com receio de deixar de conhecer algum marco da cidade.
    E. Em relacao a balada a noite oq vcs me indicao?
    Soube que tem uma feirinha de artesanato mto famosa, será q esta aberta todos os dias ou eh somente no domingo como me inforarao?
    E se n for pedi mto sabem o lugar exato dela?
    Estou um poouco perdida e nervosa.
    Desde ja agradeco

    • Nélio Says:

      Oi Caroline,

      Olha, na minha primeira ida a Santiago eu e minha mulher ficamos no Panamericano. Num primeiro momento, é um hotel tradicional, com uma ótima localização bem no centro, próximo ao La Moneda, ao metrô, etc, etc.
      Mas, a impressão que ficou é de um hotelzão antigo, que já viveu tempos bem melhores e que (ao menos em 2008) apresentava certa decadência nas instalações e nos serviços.
      Nas outras vezes em que fui para Santiago, ficamos no Holliday Inn Express em Vitacura e não nos arrependemos nem um pouco.
      Quanto a deixar de conhecer algum marco da cidade, desencane… rs… com toda certeza do mundo 5 dias é pouco para conhecer todos os “marcos da cidade”… rs… Portanto, como ainda dá tempo, selecione os marcos que mais te interessam e curta-os…
      Quanto às baladas, não fizemos nenhuma, mas “Onde Está Coco” semrpe apareceu nas minhas referências.
      Essa feirinha, que é um marco (rs) au ainda não conhecí, e se procurar em minhas anotações, verei se encontro referências dela.
      Santiago é uma cidade bacana, e aqui neste blog da Cláudia você vai encontrar muitas dicas fantásticas… Não tem porque ficar nervosa.
      Abraços.

  51. SandraM Says:

    Caroline, cheguei essa noite de Santiago, e vim aqui hoje, exatamente para agradecer as dicas da Claudia e dos tripulantes deste post.
    Elas foram essenciais na viagem.
    Fiquei hospedada no apart hotel Vegas, um flat cuja diária de U$ 63,00 me pareceu uma excelente relação custo benefício. Para uma primeira viagem que vc precisa conhecer lindos prédios no centro, eu recomendo fortemente.
    Aluguei um carro por achar a melhor e mais prática opção para mim. Pude ir a Concho Y Toro, Cajon de Maipo e Vina e Valparaíso sem precisar pagar por traslados caros e nem sempre com horários convenientes.
    Não se preocupe em deixar de ver alguma coisa.
    O relato aqui está ótimo, eu imprimi e levei comigo.
    A feira q vc se refere, deve ser a dos Dominicos, mas eu não tive tempo de ir.
    Acredito que um dia seja suficiente para dar uma olhada em Valparaíso e Vina, não deixe de aproveitar este passeio e conhecer a casa de Neruda em Isla Negra. Eu adorei!!!
    Balada, eu não fui, mas adorei o “Onde esta Coco”. Imperdível.
    boa viagem!

  52. Kamila Says:

    Qual a melhor moeda para levar em viagem ao Chile?

    • Nélio Says:

      Oi Kamila,

      Não sei como está agora, mas nas vezes em que estive lá a melhor moeda foi o dólar. O Real é aceito por lá, mas fazendo as cotações/conversões, eles pagavam mais pelo dólar.
      De qualquer forma, acho que dá para levar as duas moedas sem sustos, e antes que eu me esqueça, nunca saí daqui com pesos chilenos, nunca experimentei comprá-los aqui…
      Abraços.

  53. Ana M Says:

    Eu vou pra Santiago com meus pais em maio. E gostaria de sugestoes de qual melhor bairro para ficar. Minha mae se locomove de cadeira de rodas. Um hotel perto de shopping e restaurantes. E num bom bairro. Acho que vcs vao saber me recomendar. Obrigada.

  54. Fabiana Toledo Says:

    Olá! Vou para Santiago neste feriado e com certeza vou aproveitar muitas dicas que li aqui! Obrigada!

  55. Delmiro Campos Says:

    Oi pessoal! Fantástico todos os posts. Estive em Santiago em abril de 2008 onde passei parte da minha lua de mel e simplesmente adorei, lá fiz o básico de 6 dias; conheci a neve em Valle Nevado (era o segundo dia que a neve caia por lá e já tinha quase 60 cm de neve no chão), fiz o tour da Concha y Toro (marketing bacana da Vinícula, gostamos muito) o tour de Valparaiso e Vina Del Mar (nada demais, a época não foi bacana, cidades vazias, era domingo) mas, serviu para termos noções; adoramos o Shopping Las Condes (fantástica a sua proposta e lojas/preços); restaurante surpreendente? Como água para chocolate; enfim; passei aqui porque desejo voltar a Santiago no São João, e esses relatos só fizeram me dar mais certeza que tenho de retornar; muito obrigado. Depois relato a minha nova viagem ao Chile. Fiquem todos com Deus.

    • Bruno Vasconcelos Says:

      Olá Nélio
      Acredito que este Sr Jorge que lhe atendeu no Hotel, deve ser o mesmo que me atendeu na nossa última estadia em santiago.Estive em San Pedro de atacama e Santiago em janeiro/2011 tentei entrar novamente com ele pelo celular, porém acredito que ele mudou de celular. Você tem o celular dele? e se tem pode me fornecer? pois estou pretendendo voltar a Santiago em breve. Desde já agradeço antecipadamente

      • Nélio Says:

        Bruno,
        Me desculpe pela demora…
        Preciso dar uma olhada com uma amiga que foi conosco em nossa segunda ida a Santiago. Ela deve ter guardado o contato do Sr. Jorge.
        Creio que na semana que vem poedrei te repassar esta informação.

        Abraços.

  56. Fábio G. Says:

    Oi!
    Parabéns pelo site.
    Cheguei aqui pelo Vnv.
    Estou com passagens emitidas para Santiago de 12 a 15 de agosto.
    Terei apenas dois dias livres, ja chego a tarde e vou embora na hora do almoço.
    Vou com um grupo de 4 pessoas, junto com uma senhora de 70 anos.
    Como é época de neve, 1 dia estará reservado para subirmos a montanha.
    Será que não ficaria muito exaustivo. 1 dia a mais resolveria.
    Help me! =|
    Gracias.

    • Nélio Says:

      Fábio,
      Dois dias em Santiago e região não é muita coisa, lamento dizer. Se realmente você dispuser de um dia a mais, não pense duas vezes.
      Se um dia já está reservado para subirem para as montanhas, o tempo realmente ficará curto para as outras visitas. Não entendí se vocês irão em 4 ou 5 pessoas no total, mas acho que devido a presença de uma pessoa de 70 anos, vocêss devem procurar algum transfer adequado.
      Abraços e tenha uma boa viagem.

  57. viviani moralis Says:

    Por favor, preciso de uma orientação estou indo para Santiago dia 26/06 com meu marido e minha filha de 9 anos, estou preocupada com relação a minha chegada, estou indo por conta própria (sem agência) e não reservei transfers, nem tão pouco passeios, vocês acham isto muito arriscado? Tem algum receptivo bacana e não muito caro para nos indicar?
    Nosso maior objetivo é conhecer a neve, já vi em alguns comentários que Farellones é bem mais interessante que Valle NEvado porque tem atrações acessiveis para crianças, alguém sabe de alguma informação a respeito, alguma dica em especial? Com certeza vou utilizar as dicas das vinicolas que vi aqui no post, s~soa ótimas. Muito obrigada!

  58. Bruno Vasconcelos Says:

    Viviani, Farellones , eu não fui , porém Valle Nevado fica bem proximo a Santiago , tem hoteis , transfer no aeroporto de Santiago é só pegar um taxi ( é tranquilo). Procure na recepção do hotel, eles sem tem indicação de van para estes passeios. Com relação as vinículas eu já fui a 5 delas a melhor que eu acho é a vinícula Undurraga, a Concha Y Toro ( já ficou famosa e não informa bem ao visitante)

  59. viviani moralis Says:

    Bruno, muito obrigada pelas informações!

  60. Eliane Suassuna Bandeira Cabral de Melo Neta e de Pena Filha. Says:

    Oxente, Caramelo, resolvesse virar “A Emparedada da Rua Nova”, foi? Mas menina, deixa disso, um radicalismo assim pertence só ao século XIX. Vá caminhar debaixo das árvores do Parque da Jaqueira, vá. Depois, volta aqui e escreve para nós.

    Eu tenho saudades dos seus textos, visse? Bem muito!
    Eliane Suassuna Bandeira Cabral de Melo Neta e de Pena Filha.

  61. patricia Says:

    Oi Nélio,
    Vc ficou devendo o resumo da sua viagem à Mendoza. Vou no proximo mes para Santiago e Vou passar uns dias em Mendoza e estou na duvida de quais vinicolas conhecer e como fazer esses passeios.
    As dicas daqui estão ótimas.
    Patricia

    • Nélio Says:

      Oi Patrícia,
      De fato estou devendo este relato de um ano atrás, mas andei praticamente sem tempo até para visitar o blog da Cláudia por estes meses.
      Agora terei um pequeno período de férias e postarei este relato aqui.
      Quando é sua viagem? Se der posto antes.

      • patricia Says:

        Oi Nélio,
        Obrigada pela atenção, mas já viajo hj à noite, vou primeiro para Santiago e depois para Mendoza.
        Pesquisei bastante e escolhi as ‘bodegas’ q desejo visitar: catena zapata, familia zuccardi, salentein, trapiche, alta vista, ruca malen, bodega lopez e achaval ferrer. Não sei se vai dar para ir em todas.
        abraços

      • Nélio Says:

        Catena Zapata, Zuccardi, Salentein, Ruca Malen e Anchaval Ferrer… Estive nestas e pode ir sem medo! Todas valem a pena.
        A Salentein tem uma pousada muito bacana (relatarei isso) e um museu de artes com restaurante que vale a pena. A Zuccardi mantén um restaurante chamado casa del visitante que superou minhas expectativas (quem quiser se surpreender, peça o menu degustação!). A Ruca Malen Também tem um restaurante fantástico (novamente atrevam-se ao menu degustação).
        De qualquer forma, tenha uma bela viagem Patricia, e depois passe para contar como foi. Abraços!

  62. Delmiro Campos Says:

    Pessoal,

    Estive em Santiago entre os dias 27.06 e 02.07 e em minha segunda visita ao Chile; pude conhecer e RECOMENDAR:

    a) Farellones (programa perfeit para crianças) e El Colorado; no caminho do Valle Nevado e 20 curvas a menos;

    b) Restaurante Osadia no bairro de Vitacura;

    c) Shopping Parque Arauco com os melhores preços e descontos de julho (Ellus e Zara em promoções muito boas);

    d) Região de Outlets distante 12 pesos chilenos em táxi;

    e) Vinícula Undurraga (pequena, tour de 45 minutos);

    f) Aqui está Coco – um dos mais badalados restaurantes do momento em Santiago;

    g) Ocean Pacific – tem 19 anos de história; excelentes preços, cardápios com fotos dos pratos; decoração bem diferente (fundo do mar);

    h) Museu pré-colombiano – pequeno; bem interessante;

    i) MIM – http://www.mim.cl/prontus_mim/site/edic/base/port/inicio.html – perfeito para quem vai viajar com seus filhos de até 13 anos;
    Eu ainda não tenho filhos, mas adorei conhecer esse espaço e me sentir criança novamente.

    Boa viagem a todos.

  63. Alexandra Says:

    Gostaria de compartilhar uma excelente experiência que tive em Santiago. Estive lá no final de junho e fui atendida por um motorista maravilhoso, extremamente atencioso, dedicado e interessado, chama-se Juan Carlos Sevinones. Ele ficava conosco das 9 as 23, incansável e por um preço excelente. Deu um upgrade e tanto na nossa viagem. Seguem os contatos: 09-90200454, araucotour.chile@gmail.com.

  64. patricia Says:

    Delmiro, essa região dos outlets é a do shopping buenaventura?

  65. Bruno Vasconcelos Says:

    Nélio, com relação ao telefone de Sr Jorge, agora já é tarde, rs, estive em santiago agora pelo São João e encontarmos outro motorista excelente. mesmo assim obrigado. Como indicação de restaurantes que fomos Astrid &Gaston, Europeo e o La Mar (já com filial em São Paulo )

  66. Delmiro Campos Says:

    Amigos,

    No Hotel Kennedy tem um excelente motorista com sua Van para 7 pessoas chamado Juan Carlos; cujos dados e acesso pode ser informado no lobby do hotel.
    Ele fez por 90.000 pesos ida para El Colorado e Farellones, ficando conosco das 08:00 h da manhã às 08:00 da noite.
    Pelo mesmo preço ficou com nosso grupo outro dia inteiro em Santigo em city toy, almoço e compras, etc.

  67. dani Says:

    meu voo sai de santiago ás 7h da manhã, queria saber se essa hora eu ja encontro freeshop aberto? pois vamos chegar bem cedo no aeroporto la pela 5h da manha…sera q encontro aberto? é 24h?
    desde ja agradeço se alguem puder me ajudar!
    adorei os relatos foram de grande ajuda!

    • Nélio Says:

      Olá Dani.
      Sinceramente não me recordo se o Freeshop de Santiago é aberto 24h. Já peguei vôo neste horário e se não me falha a memória ele estava aberto sim, enquanto que as demais lojas do aeroporto estavam por ser abertas, mas não tenho certeza disso.
      Ainda dei uma olhada no site do aeroporto de santiago http://www.aeropuertosantiago.cl/duty-free/index.php e não achei informação sobre o horário de funcionamento. mas lá tem os telefones das lojas do freeshop, caso ache mais fácil ligar para lá…

  68. Claudia Brges Says:

    Adorei as informações de todos, já que em breve estarei embarcando para Santiago.Obrigada.

  69. Marcelo Dores Says:

    Amigos, gostaría de uma ajuda!

    Chegarei em Santiago neste sábado (12/11) ao meio dia. Ficarei apenas 3 dias e meio no Chile (até 15/11), querendo dividir em Santiago, Cidades litorâneas (ValParaíso e Viña Del Mar) e quem sabe Farellones.

    Qual seria o melhor dia da semana para se conhecer Santiago? Domingo ou dia de semana?

    Pergunto o mesmo para as cidades litorâneas, será q conhecê-las em dia de semana é muito monótono, sendo melhor reservar o domingo para isso?

    Quanto a Farellones, minha intenção não é esquiar, e sim apreciar as paisagens e bater fotos. Será que vale a pena fazer um bate volta agora na baixa temporada? E outra, c visitasse Farellones precisaria retornar à santiago antes das 16 hrs para pegar o avião as 18 hrs, isso é póssível?

    Obrigado!!!

    Marcelo

  70. Eliane Lordello Says:

    Oi Caramelo,

    Como você já sabe, adoro o seu texto e o seu blog. Vou ao Chile em janeiro de 2012, e, para completar o meu roteiro, deixei por último este seu excelente post. Queria justamente coroar o meu roteiro com a sua chave de ouro.

    Comprei o guia Chile, do qual você participa, não apenas pela viagem, mas também pela agradabilíssima leitura.

    Como sou pesquisadora de patrimônio cultural, minhas prioridades em Santiago são as áreas históricas. Fora da capital, Valparaíso, e a Ilha de Chiloé, que têm conjuntos históricos tombados, sobre os quais pretendo escrever.

    Espero sinceramente que você consiga mais tempo para voltar a escrever neste blog.

    Um beijo grande,
    Eli

  71. Josebel e Jean Says:

    Gostamos muito de todas as dicas e comentários. Estamos de viagem marcada para 15 dez e aproveitaremos ao máximo todas elas.

  72. Andre Says:

    Olá a todos.
    Parabéns pelas dicas. Tenho lido bastante sobre STG. Irei para lá entre 11 e 16 de maio. Gostaria de saber sobre compras(está em época de liquidações, os out lets são realmente interessantes?).Alguma idéia de essa época é chuvosa, temperatura média, etc?Obrigado

    • Marcelo Says:

      Prezado André,

      Estive em Santiago agora, 10 a 15 de março de 2012, e posso te garantir que apesar do fim do verão, o clima tem mudado bruscamente, de manha faz um friozinho, la pelas 10:30 começa a esquentar e ja as 13 ta um calor igual ao nosso no Brasil, mas com o cair da tarde, la pelas 4, 5 horas, o vento frio começa a voltar. Fui com minha familia ( mulher e filha -3 anos) e a temperatura em Santiago beira os 30 graus, o problema foi a poluicao que paira sobre a cidade. A consequencia, foi que minha filha sentiu muito e a saude ficou abalada, principalmente, garganta e olhos, que se irritaram facilmente, chegando ao extremo de vomitar. Ela tambem sofreu para se alimentar, o que espero goste de peixes e frutos do mar, pois e o alimento que mais conseguimos comer. Fizemos passeios a instacias de vinhos, com desgustação e etc a, casablanca. Ja o passeio na cidade nao foi possivel fazer devido aos problemas de saude ocorridos com minha filha. Tivemos um pouco de dificuldade de andar no metro, pois, com carrinho de criança tudo ficava mais dificil. Teve hora que quase sentei no colo da minha filha de tao cheio que estava o metro, e segundo, conferi os horarios neste poste, nem era hora de rush, e sim 11 horas da manha. O passeio na costa indo a Val Paraiso e Vina del Mar e super gostoso e vale a pena conhecer as cidades. Por sinal o pacote citado do onibus acima, TURISTIK, (o que nao fiz devido a saude da minha filha esta lacrado com validade ate julho de 2012) , muito legal por sinal, porque ele faz um intinerário na cidade de santiago com praticamente todos os pontos turisticos da cidade, podendo descer e visitar os pontos turisticos quantas vezes quizer. Segundo constatei e a melhor opção para quem como eu passara poucos dias em Santiago, porque na verdade vc tem 3 dias inteiros, primeiro dia vc chega tarde e ja praticamente perde o dia, e o ultimo tambem, porque sai cedo e tem que fechar as malas, enfim, tera, como eu 3 dias para conhecer tudo, entao tem que ser rapido. Ai percebi que este onibus da TURISTIK e perfeito por agilizar as chegadas a todos os pontos turisticos da cidade, permitindo ao turista conhecer com seguranca, todos os pontos turisticos em apenas 24 horas. Se quizer to vendendo, pois, nao usei e esta lacrado. Dos 3 dias que tera , 1 perde-se no passeio a Vina del Mar e Valparaiso, 1 dia vc perde visitando uma instancia, vendo os metodos de plantação dos diversos tipos de uvas (malbec, carbenet, enfim) , podendo provar a uva do pe e sentir o paladar de cada tipo. Passeio completo com almoço e ainda ganha 2 taças da vinicula El Cuadro – CASA BLANCA. Vale a pena. O ultimo dia passeio pela cidade pelo onibus Turistik, e depois voltar pra casa. Vale a pena, vai gostar, mas se prepara que o friozinho vai começar a piorar por la. Segundo o agente de viagem me informou em Maio começa a fazer Frio, para em Junho, Julho ja ter neve e consequente vento frio vindo dos Andes. Qualquer duvida ou se quizer saber algo mais meu email spakerj@hotmail.com

  73. Eliane Suassuna Bandeira de Melo Neta e de Pena Filha Says:

    Oxente, Caramelo!

    Levasse muito a sério essa coisa de freirinha, não foi?

    Mas menina, não sejas assim tão radical! Freirinha também tem férias.

    Viaja, minha filha, viaja! Há tantos conventos porretas neste mundo.
    Vai visitar conventos na França, criatura!

    Depois, volta aqui e conta pra gente.

    Gosto muito desse blog visse? E de tu também!

    Um cheiro,
    Eliane Suassuna Bandeira de Melo Neta e de Pena Filha

  74. Eliane Suassuna Bandeira de Melo Neta e de Pena Filha Says:

    Outra coisa, Caramelo,

    As freirinhas também podem fazer intercâmbio, visse?

    Por exemplo, tu, que vives em Olinda, podes passar um tempinho em um convento carmelita irsraelense.

    Não é massa?

    Só te dou esses conselhos porretas porque gosto bem muito de tu, visse?

    Eliane Suassuna Bandeira de Melo Neta e de Pena Filha

  75. Natália Says:

    Olá Cláudia, acabo de descubrir o seu site e adorei as dicas, principalmente porque acabo de comprar passagens para ir à Santiago em junho deste ano. Com certeza iremos nos basear nos roteiros aqui postados. Eu e meu esposo passamos a lua-de-mel lá há 3 anos, mas não tivemos muito tempo de conhecer a cidade porque fizemos Santiago-Puerto Varas-Peulla-Bariloche-Buenos Aires e em Santiago só fizemos o city tour (com direito a troca da guarda no palácio La Monedo terminando no Mercado Municipal onde comi uma centolla e tive alergiae por isso não saímos à noite). No outro dia, fomos à Vina del Mar e Valparaíso e à noite já embarcamos para Puerto Varas.
    Na verdade, essa viagem foi o nosso plano B, pq estávamos com tudo comprado pra Cidade do México e Cancún, mas a InfluenZa A acabou com nossos planos. No final das contas, ficamos encantados com o Chile em geral, principalmente Puerto Varas e é por isso que estamos voltando, só que agora com mais um casal, que não conhece o país. Vamos passar exatamente 48h em Santiago e 48h em Puerto Varas e queria tirar umas dúvidas:
    1. Não vi ninguém comentando sobre o Restaurante Giratório, que pra mim, era o mais famoso da cidade e só uma pessoa falou do Como água para chocolate. Pretendíamos jantar nos dois, vocês recomendam, ou indicam melhores? É preciso reservar com que antecedência?
    2. Esquiar no Valle Nevado toma um turno do dia ou o dia todo?
    3. Pretendemos ir para Puerto Varas de ônibus, vc sabe se podemos deixar pra comprar as passagens lá mesmo (com que frequência saem os onibus?) ou é melhor comprar logo por uma agência de viagens?
    Desde já, obrigada pela atenção.

  76. Eliane Lordello - Vitória - ES Says:

    Oi Cláudia,

    Queria deixar aqui a lista das 10 coisas que mais gostei em Santiago, em viagem feita em janeiro deste ano, cujo roteiro foi fortemente embasado por este blog.

    1. O Parque Florestal, com seus amplos gramados, largamente sombreados por árvores históricas, sob as quais eu adoraria ver brincar meu sobrinho, que amanhã completa dois aninhos, Gabriel.
    2. La Sinfónica de Chile, que, sob a regência de Francisco Rettig, executou de modo sublime A Sagração da Primavera, de Igor Stravinsky, em um concerto memorável no Teatro Universidad de Chile.
    3. A Biblioteca Nacional, lindo prédio neoclássico, com destaque para a Sala Medina, toda em madeira, e para o agradável café, com seus sofás confortáveis, seu atendimento gentil.
    4. O bar e restaurante Liguria da Luis Thayer Ojeda, Providencia, com destaque para os gentilíssimos garçons e garçonetes, e para a impagável decoração com fotos de cinema, música, futebol, personagens chilenas, religião.
    5. O restaurante Sur Patagónico, em Lastarria, onde além da deliciosa gastronomia da Patagônia, desfruta-se de um ambiente acolhedor cuja decoração prima pelo uso inteligente e de bom gosto da madeira.
    6. Na mesma rua do Sur Patagónico, a casa inteiramente coberta, do telhado aos alicerces, por uma trepadeira, ao lado da Plaza Mulato Gil de Castro, em Lastarria.
    7. E, na mesma calçada dessa casa, o pequeno Cine El Biógrafo, com seus funcionários educados e atenciosos, onde assisti ao belo desenho animado francês O Ilusionista.
    8. Os adoráveis jardins de La Chascona, onde Neruda e Matilde tanto namoraram.
    9. O clima universitário de toda a região próxima ao metro Baquedano, em Providencia, com destaque a linda Escuela de Derecho, com sua arquiteura entre o art déco e o protomodernismo.
    10. Os educados chilenos que jamais me corrigiram ao pronunciar errado a palavra arbole, colocando a sílaba tônica em bo, e não em ar, como seria o correto. (¡Gracias, amigos! )

    Mais uma vez, obrigada pelas dicas, Cláudia, e feliz Páscoa para você e a família.

    Um beijo,
    Eliane.

  77. lilianamorim Says:

    Olá, Claudia! Semana que vem embarco para Santiago e já anotei várias dicas do seu blog. Na volta passo aqui para te contar minha experiência. Abraço.

  78. Ana Paula Marinho Says:

    Estou planejando viajar para Santiago no final de maio junto com meu marido e filha de 9 anos.Estou pesquisando um hotel (infinity suites by ameristar) localizado no bairro europeu.Alguém sabe algo a respeito dessa localização?Por acaso tem a ver com o bairro Paris-Londres?Gostaria muito de fazer o passeio até valle nevado.Vale a pena nesta época do ano?Agradeceria muito se conseguisse quaiquer informações a respeito.Um abraço!

  79. EMERSON DE SOUSA ANDRADE Says:

    Caros amigos.
    Estivemos por 72 horas em Santiago.
    Chegamos na sexta-feira e nos hospedamos no Hotel Panamericano e gostamos muito, pois os funcionários são muito prestativos e se esforçam em entender o português ou o nosso portunhol.
    Na dia da chegada almoçamos no Donde Augusto no mercado central. Muito bom, mas muito caro.
    Aproveitamos para conhecer as ruas de comercio próximas ao mercado e apesar de parecer muito popular as lojas, encontramos roupas de ótima qualidade a preços imperdíveis.
    A noite fomos no restaurante EUROPEO. Nota 10,. Um restaurante fino, bom atendimento, garçons extremamente profissionais e o preço não assustou.
    No sabado fomos ao Concha y Toro com um taxista muito simpático e até muito culto, o Francisco. Ficou nos esperando na vinicola e depois no levou em um restaureante tipico chileno, o La Vaquita Echá. Muita a comida e também ótimo atendimento. A noite fomos no restaureante COMO ÁGUA PARA CHOCOLATE. Nota 11. Fomos atendidos pela Patricia. Comida maravilhosa e ambiente melhor ainda.
    No domingo fomos no Cerro San Cristobal. Próximo de lá fomos no Pátio Bella Vista com bons restaurantes e boas lojinhas de artigos tipicos do Chile. Vale a pena.
    A noite fomos no COQUINARIA. Um mecado gourmet que tem de tudo. Vale a pena conhecer, mas os preços são fora do nosso alcance.
    Faltou irmos no Valle Nevado e em Valparaiso/Vina del Mar.
    Voltaremos em breve.

  80. SImone Says:

    Algué poderia me dar alguma indicação sobre o Hotel Panamericana em Providência ?

  81. Simone Says:

    Olá pessoal, preciso de indicações de bons hoteis no bairro Providência. Obrigada

  82. Luana Says:

    VOU PARA SANTIAGO EM DEZEMBRO COM MEU MARIDO E MEU FILHO DE 7 ANOS.
    QUANTO SERÁ QUE VOU GASTAR DE ALIMENTAÇÃO DURANTE 7 DIAS????
    AGUARDO RESPOSTA!!!!!!!!!!

  83. Mônica Says:

    Claudia, que bom que descobri seu blog.
    Estou indo para Santiago em Julho e já li muito a respeito.
    Em uma das suas respostas você agradeceu ao leitor e disse que “tinha fontes locais”… Adoro experimentar a culinária típica, evitando restaurantes que se priorizam a culinária internacional.
    Já li diversos depoimentos sobre o mercado de Santiago. Tive a impressão de que o Donde Augusto é estilo “pega-turista”. Um leitor elogiou o Tio lucho , porém esse comentário foi postado em 2009. Gostaria que vocês me ajudassem a descobrir o típico restaurante chileno para comer centolla e também frutos do mar. Onde será que os nativos vão comer no mercado? Vou adorar ter essas respostas. Um grande abraço a você e a quem puder me ajudar.
    Mônica

  84. Bruno Vasconcelos Says:

    Pessoal , passei a semana Santa na ilha de Pascoa é realmente fantástico, Moais, cavernas, mergulhos, passeios de barco,praias a comida tipica , a cidade Ranga Hoa é pequena porém tem tudo que é necessário, só não recomendo que vocês não se hospedem no TUPA HOTEL, a começar pelo preço que ficou acertado pelo Booking e no final tivemos que pagar a mais USD 300,00. O Hotel está mal administrado o dono apesar de ser nativo mora no Havai , todos os quartos é sem TV, sem ar condicionado, sem telefone, sem cofre , sem frigobar só havia um ventilador de teto que funcionava bem lento; reclamamos e nos deram 2 ventiladores de pé . O wifi no site do hotel diz que funciona, só que na realidade só funciona na recepção, e por falar em recepção as chaves ficam penduradas com facil acesso aos hospedes ou seja qualquer um pode pegar a chave de outro. O café da manhã é + – não havia leite quente de tanto o pessoal reclamar foi que resolveram colocar uma garrafa térmica com leite quente. Quer pensar em ir na Ilha de Pascoa e quizer dicas excelentes é só pedir que terei o maior prazer de atender, abraços a todos

  85. Atlanta Tax Attorney Says:

    I visited various sites but the audio feature for audio songs current at this
    site is genuinely excellent.

  86. Diego Says:

    Para quem pensa em alugar carro no Chile: eu declaro minha insatisfação completa com o serviço da Chilean Rent a Car. Após a entrega do veículo, eles disseram que havia um pequeno arranhão no pára-brisa (quase imperceptível, podem ter certeza) e teríamos que pagar 30 mil pesos (150 reais) por conta disso. Honestamente, foi um oportunismo absurdo. Eles competiram em um site de busca para oferecer o preço mais barato (ganharam), para, depois, cobrar, a mais por uma invenção, só para aumentar a receita. Nenhuma outra explicação. O carro tinha mais de 20 pequenos arranhões. O carro só tinha 15,000 km rodados. Se considerarmos que cada cliente, em média, roda uns 1.000 km, o locador deve cobrar praticamente de todos por reparos de defeitos ‘criativos’ e injustos. Lamentável. Eu viajei mais de 20 países e nunca vi nada parecido. Isto sem levar em conta que o pequeno risco muito provavelmente não aconteceu comigo. Fizemos uma vistoria antes, é claro, mas não nos mostraram nada no pára-brisa. Após a entrega do carro, eles procuraram por quase meia hora um defeito, até que “inventaram” um. Eu nunca passei por isso. Chilean Rent a Car nunca mais … Eu não recomendo a ninguém. Muito pelo contrário. –

  87. Regina Marcia Gomes Crespo Says:

    Estamos indo para Santiago no dia 29 de setembro. As dicas que vcs. dão são ótimas. Nélio me pareceu um expert em Chile. Na volta farei os comentários.

  88. Vanessa Says:

    Estou indo para o Chile nas proximas semanas e no meu roteiro esta o Vale Colchagua, mas não queremos ir de carro pois queremos desfrutar das viniculas e não dirigir. Estaremos indo de Santiago a tarde e dormiremos num hotel em Santa Cruz, agendei a visita na Lapostolle as 12h, mas com todas as dicas acho que quero almoçar na Viu Manent. Só que tenho um problema não sei e estou com dificuldades de encontrar como fazer todo este deslocamento, como ir para Santa Cruz e deslocamento entre as Viniculas, você tem alguma dica, pode me ajudar. Obrigada

  89. maltesers Says:

    Please let me know if you’re looking for a author for your site.
    You have some really great posts and I think I would be a good asset.
    If you ever want to take some of the load off, I’d love
    to write some articles for your blog in exchange for a link back to mine.
    Please shoot me an e-mail if interested. Many thanks!

  90. http://www.car-audio-upgrades.co.uk/ Says:

    Genuinely no matter if someone doesn’t be aware of
    after that its up to other viewers that they will assist,
    so here it happens.

  91. Carol Says:

    Galera, alguém aí com recomendações sobre o melhor Hostel para ficar em Santiago? Estava pensando no Ají, sabem de dizer algo sobre ele? Obrigada

  92. silviamedina Says:

    Olá! Ficarei apenas 12 horas em Santiago. Vc recomenda sair do aeroporto? Estou com uma crianca de 3 anos. Qual seria o melhor meio de transporte? Obrigada!

  93. henrique Says:

    Oi pessoal sou brasileiro moro no Chile 9 anos, vim atravez da arte da capoeira porem hoje estou tambem na area do turismo,adoro atender meus conterranios sobre tudo aqueles que nao possui uma boa informacao com relacao ao Chile, e um lugar maravilhoso, porem com seus defeitos, e qualidas igual que qualquer outro lugar.
    logicamente por aqui irao encontrar muitos lugares lindo pra irem, shoping, passeios em cordilheiras, vales vulcoes, cidades lindas valparaiso e vina del mar, morros, mirantes em fim um serie de opcoes. lhes deixo meu contato porque si alguem esteje vindo e nao conta com reservas de passeios podem fazer comigo. por ser passeios compartidos em uma vam com dez ou mais pessoas ou exclusivos em uma camionete. ambas ano 2015 que oferece maior conforto e comodidade. pra casais grupos pequenos ate 4 pessoas etc.whatsapp +56978280988 sambatour@gmail.com

    OBS: gostaria tambem de agradecer aos donos do blog pelas exelentes dicas que voces brindan as pessoas.

  94. Raphael Teixeira Says:

    Muito bacana seu Post sobre Santiago. Estive em santiago a semana passada e as dicas aqui apresentadas me foram muito úteis! Obrigado !

  95. Próximo Destino: Chile!!! | Viaggiando Says:

    […] Santiago saíram dos blogs que eu já acompanho: o ótimo guia bairro a bairro da Silvia Oliveira, o roteiro de 48 horas da Claudia Carmello e as dicas da Camila Guido. Sobre a Região dos Lagos tenho acessado bastante o Fórum Mochileiros […]

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: